O aborto e o ‘matador de aluguel’: seis eminentes mulheres suíças deixam a Igreja Católica

Revista ihu on-line

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Mais Lidos

  • ''Há um plano para forçar Bergoglio a renunciar", denuncia Arturo Sosa

    LER MAIS
  • EUA: um complô para fazer com que o papa renuncie

    LER MAIS
  • “Construímos cidades para que as pessoas invistam, não para que vivam”. Entrevista com David Harvey

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

21 Novembro 2018

O gesto é entendido como um protesto pela comparação proferida pelo Papa Francisco.

A informação é publicada por www.tto.ch, 19-11-2018. A tradução é de Luisa Rabolini.

Seis ilustres mulheres suíças deixaram a Igreja Católica para protestar contra a comparação feita pelo Papa Francisco entre a interrupção da gravidez e o uso de um "matador de aluguel". A União Suíça das Mulheres Católicas (SKF) lamenta a decisão, mas mostra compreensão.

As duas ex-conselheiras nacionais Cécile Bühlmann e Ruth-Gaby Vermot, a co-fundadora da "Erklärung von Bern" ("Declaração de Berna") Anne-Marie Holenstein, a política ativa na esfera social Monika Stocker e as teólogas feministas Doris Strahm e Regula Strobel anunciaram que "não apoiarão mais o sistema de poder patriarcal da Igreja Católica romana", indica a SKF em comunicado divulgado ontem. Essas seis mulheres vêm lutando há décadas por mudanças, escreve a união. Como organização de mulheres católicas, a SKF entende a sua frustração e resignação.

"Da mesma forma que essas seis mulheres, nós também ficamos chocadas com a comparação feita pelo Vaticano entre o aborto e assassinato por encomenda e decidimos assinar uma petição dirigida ao Papa Francisco", ressalta o comunicado.

A SKF também rejeita a atual distribuição de poder na instituição Igreja Católica e pede mudanças profundas, que abram o caminho para a igualdade de participação tão esperada das mulheres. A SKF exorta homens e mulheres "a continuar teimosamente a aproveitar todas as oportunidades para mudar a Igreja a partir de dentro".

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O aborto e o ‘matador de aluguel’: seis eminentes mulheres suíças deixam a Igreja Católica - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV