Cardeal Baldisseri: “Precisamos que o documento final do Sínodo seja provocativo e revolva as águas”

Revista ihu on-line

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Mais Lidos

  • Um novo documento anti-Francisco com cem assinaturas: “Atos sacrílegos durante o Sínodo, precisa se arrepender”

    LER MAIS
  • Plano de Guedes constitucionaliza drenagem de recursos dos pobres para os ricos

    LER MAIS
  • Por que o fim do DPVAT é mais um golpe no financiamento do SUS

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

17 Outubro 2018

“Espero que o documento final do Sínodo seja provocativo e que revolva as águas, porque temos necessidade disso”. Foi o que disse o ‘cardeal em chefe’ do Sínodo dos Bispos, Lorenzo Baldisseri, que, sempre às ordens do Papa, procura conduzir o barco sinodal a um bom porto, evitando as armadilhas internas e externas.

A reportagem é de José Manuel Vidal, publicada por Religión Digital, 16-10-2018. A tradução é de André Langer.

Depois de um longo dia, deixa a sala sinodal já noite (em Roma, anoitece às 19h), sem trajes cardinalícios. Vestido com um clergyman e usando um boné de feltro, parece um padre a mais do Vaticano. Mas ele é um dos homens da máxima confiança de Francisco, desde quando, após ser eleito Papa, colocou seu barrete cardinalício na cabeça do então secretário do conclave.

Como bom músico e consumado pianista, tem habilidades de comando e de diretor de orquestra. Este já é seu segundo Sínodo como secretário geral e, talvez por isso, valoriza muito o ambiente “de boa onda incrível que se respira e se vive dentro e fora da sala”.

Na sua opinião, este bom clima sinodal está contribuindo para a dinâmica mais participativa que se criou neste Sínodo, onde os jovens, apesar de serem apenas 34 em comparação com os mais de 250 padres sinodais, se fazem muito presentes. Cada jovem tem seus quatro minutos, como qualquer padre sinodal, e, além disso, “com a autoconfiança própria da idade mostram suas opiniões em voz alta”.

E conta uma anedota a este respeito.

“Um dos jovens do Sínodo aproximou-se do Papa e lhe disse:

- Santidade, se não gostamos de alguma coisa, podemos assobiar?

- Bem, para mim, sim; para os outros, é melhor não fazê-lo, mas sintam-se sempre livres”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Cardeal Baldisseri: “Precisamos que o documento final do Sínodo seja provocativo e revolva as águas” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV