Sínodo 2018. Assembleia mapeia traços para uma Igreja que apoia os jovens

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Bispo brasileiro diz que ordenará mulheres ao diaconato se papa permitir

    LER MAIS
  • “A ética do cuidado é um contrapeso ao neoliberalismo”. Entrevista com Helen Kohlen

    LER MAIS
  • Irmã Dulce, símbolo de um Brasil que está se esquecendo dos pobres. Artigo de Juan Arias

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

16 Outubro 2018

No dia 15 de outubro, os participantes da assembleia do Sínodo dos Bispos sobre os jovens concluíram seu trabalho em grupos separados conforme a língua que falam. Eles finalizaram a segunda parte do cronograma do documento de trabalho do sínodo, dedicado ao discernimento vocacional.

A reportagem é de Nicolas Senèze, publicada por La Croix Internacional, 16-10-2018. A tradução é de Victor D. Thiesen.

“Você está enganado!” - “Bem, então, me ajude a sair do engano!”. Esse diálogo, entre uma jovem levemente rebelde e um bispo europeu, foi relatado ao Padre Mário Tasca por parte do próprio bispo durante um dos intervalos do Sínodo. Para o Ministro geral dos Frades Menores Conventuais, o diálogo resume a mudança de atitude que a Igreja precisa passar a ter nos próximos anos: ouvir mais e ser capaz de mudar.

“A Igreja precisa partir do 'ouvir' para o 'conversar', porque é uma conversa que produz diálogo”, diz o padre Bruno Cadoré, Mestre Geral da Ordem Dominicana. Ele sente que a Igreja deve ser capaz de abraçar toda a diversidade juvenil percebida na primeira parte do Sínodo. “Não é apenas uma questão de abrir caminho para os jovens, mas de mudança”, diz o padre francês, “porque essa é a particularidade da Igreja: abraçar o novo e mudar, não apenas transmitir”.

Temos muita tendência em pedir aos jovens para serem mais dóceis

Esta nova abordagem da Igreja foi levantada em muitas ocasiões nas discussões do Sínodo e influenciou a maneira como os bispos visualizam o apoio a ser dado aos jovens.

Enquanto alguns bispos do Sínodo, ainda que sejam minoria, enfatizam que agora é hora de fortalecer a dimensão magisterial da Igreja - uma Igreja de “professores” que ensinam seus discípulos - outros alertam contra uma visão que se concentra excessivamente na “orientação”.

Em muitos aspectos, a ideia de “apoio” vem tomando o lugar da “orientação” espiritual, tanto que muitos bispos enfatizaram o risco de abusos espirituais que este último poderia acarretar. “Temos muita tendência em pedir aos jovens para serem mais dóceis”, alertou um bispo.

A Igreja precisa ser uma comunidade à qual o jovem sinta que pertence

"O acompanhamento na Igreja não pode mais assumir a forma única de relacionamento entre o mestre e os discípulos", admite o bispo auxiliar de Bordeaux Bertrand Lacombe, responsável pelo departamento de vocações na Conferência dos Bispos Franceses, que defende uma dimensão mais comunitária, "um acompanhamento entre pares".

"A questão hoje tem menos a ver com estrutura do que com a comunidade: a Igreja precisa ser uma comunidade à qual o jovem sinta que pertence", disse o padre Cadoré.

“A juventude de hoje - como sempre - não precisa de uma estrutura, mas de um lugar ao qual o jovem sinta que pertence, onde sintam sua falta se ele não estiver presente”, explicou o dominicano francês. Ele pede uma sinodalidade real em todos os níveis da Igreja e não apenas em Roma.

Com que Igreja estamos sonhando para o futuro?

"Se realmente queremos ter assembleias onde todos participam, temos que ser capazes de conviver todos juntos na mesma Igreja", disse o padre Cadoré.

Como foi observado na semana do dia 8 de outubro, pelo arcebispo Bruno Forte de Chieti, um dos redatores do documento final desta assembleia, a grande questão para esta reunião do Sínodo é: “Com que Igreja estamos sonhando para o futuro?"

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Sínodo 2018. Assembleia mapeia traços para uma Igreja que apoia os jovens - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV