Salvem o SUS, por uma saúde pública mais digna

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Müller também se recusa, na 'TV do diabo', a participar do Sínodo

    LER MAIS
  • Aquele que veio para desconstruir e devastar - Frases dia

    LER MAIS
  • A era de incerteza do pontificado de Bergoglio e a supremacia da religião 'faça você mesmo'. Artigo de Marco Politi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


16 Outubro 2018

"Mesmo com muitas carências, o SUS é indiscutivelmente necessário para a sociedade brasileira. Quem utiliza o sistema encontra pessoas com as mais diversas realidades socioeconômicas. Nestes seis dias de internação foi possível conhecer histórias de pacientes que só estão vivos hoje por causa dos atendimentos prestados pela saúde pública", escreve William Martins, estudante de jornalismo da Universidade do Vale do Rio dos Sinos, estagiário do Instituto Humanitas Unisinos - IHU e Bolsista de Iniciação Científica. 

Eis o artigo. 

O Sistema Único de Saúde -SUS completa 30 anos de existência neste ano, mas não há o que comemorar. Estar internado em um hospital público no contexto atual é dramático. Com a Emenda Constitucional 95, que congela os gastos públicos em áreas essenciais, como saúde, educação e infraestrutura, os recursos serão ainda mais escassos que os atuais.

Por anos utilizei plano de saúde, entretanto nunca havia sido internado. Em 2017 fiquei sem os serviços do plano e em agosto deste ano, por complicações de saúde fui levado ao hospital público da cidade, onde trabalho e estudo, São Leopoldo, RS, chamado Hospital Centenário .

Lá, fiquei por seis dias internado na emergência e tive a oportunidade de ver e sentir as complicações que a crise econômica pode trazer para a saúde pública. Pouca oferta de alimentação, falta de lençol e macas, emergência lotada e assim como eu, pacientes internados em leitos improvisados nos corredores do hospital. 

Entretanto, apesar de tantos pontos negativos, a competência médica e a empatia da equipe de enfermagem com os pacientes, mesmo com salários atrasados e com a alimentação cortada, é admirável. É possível perceber o empenho destes profissionais, que mesmo com dificuldades não transparecem aos pacientes estarem sob as mais diversas pressões financeiras, de escassez de pessoal e de material . No primeiro dia de internação pude observar uma das técnicas de enfermagem juntando dinheiro entre as colegas para comprarem o almoço do dia. É importante ressaltar também o competente trabalho da equipe de alimentação, que faz o possível para que as refeições sejam suficientes para todos os pacientes.

Mesmo com muitas carências, o SUS é indiscutivelmente necessário para a sociedade brasileira. Quem utiliza o sistema encontra pessoas com as mais diversas realidades socioeconômicas. Nestes seis dias de internação foi possível conhecer histórias de pacientes que só estão vivos hoje por causa dos atendimentos prestados pela saúde pública. Além disso, o hospital público funciona como uma verdadeira escola de desconstrução e de aproximação de mundos. Nesse contexto, você pode olhar para a maca ao lado e encontrar presidiários, idosos em estágio avançado de alzheimer, jovens vítimas da violência cotidiana , a história de uma mãe que teve um filho nascido morto, idoso abandonado pela família… Enfim, histórias que podemos não ter contato diariamente, mas que nos dão sempre lições de vida, superação e força de vontade de continuar.

Justamente por isso, é necessário que salvem o SUS do atual desmonte que está sendo promovido pelo governo atual. Esta política de austeridade está custando a vida de muitos pacientes e o desalento de muitos funcionários dos hospitais brasileiros. Aos políticos, que agora foram eleitos para os próximos quatro anos, torço para que sejam mais humanos, que promovam a alteridade em seus mandatos. Para que, dessa forma, a saúde pública volte a ser tratada como prioridade.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Salvem o SUS, por uma saúde pública mais digna - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV