André Comte-Sponville: “O homem é um animal erótico”

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Apoio do papa a uniões gays não é uma surpresa, mas é muito significativo. Artigo de James Alison

    LER MAIS
  • Coluna “Rumo a Assis: na direção da Economia de Francisco”

    O propósito da tecnologia e do humano: Dados, reflexões e possibilidades para a Economia de Francisco

    LER MAIS
  • Papa Francisco, uniões civis e o reconhecimento da intimidade. Artigo de Andrea Grillo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


26 Setembro 2018

O filósofo francês André Comte-Sponville [autor de Le Sexe ni la Mort. Trois essais sur l’amour et la sexualité (Albin Michel, 2012) e L'inconsolable et autres impromptus (PUF 2018)] distingue várias formas de amor que em grego são expressadas com três palavras: “Eros”, “philia” e “agapè”, em artigo publicado por Le Monde, 24-09-2018. A tradução é de André Langer.

Eis o artigo.

Existem muitos tipos de amor que às vezes gostamos de mesclar e que é importante, ao contrário, distinguir. Existe o sonho da fusão e a experiência da falta. Existe a paixão e a amizade. Existe o amor possessivo e o amor doação. Existe “o grande sofrimento do desejo”, como diz Platão; mas também seu poder e sua alegria, como diz Spinoza. Existe o sexo e o casal. E depois existe a caridade, a mais doce e pura caridade. Mas somos capazes disso?

Tudo isso pode ser dito em grego, em torno de três palavras, que são como os três nomes do amor: Eros, philia, agapè. É isso que é preciso tentar compreender – em francês. Um materialista tenderá a dizer, com Freud: primado do corpo, portanto primado, aqui, da sexualidade. Mas quem poderia se contentar com isso? E quem não vê que aqueles que mais amamos – os nossos filhos – são precisamente aqueles que nos são sexualmente proibidos, inclusive impensáveis?

A sublimação, mostra Freud, não é o sentimento do sublime, mas o vir a ser sublime do sentimento. É para isso que serve o interdito e a transgressão, quando ela é moralmente aceitável (“ela mantém a proibição de desfrutá-la”, escreve Bataille). Primado do sexo, primazia do amor. Disso decorre uma ética, que é também uma arte de amar: o homem é um animal erótico. Os animais, que fazem amor inocentemente, não sabem o que estão perdendo.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

André Comte-Sponville: “O homem é um animal erótico” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV