Críticos do acordo entre a China e o Vaticano formam apenas uma minoria barulhenta, diz bispo Sánchez Sorondo

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • Vaticano abre as portas para a ordenação de homens casados em regiões isoladas

    LER MAIS
  • Renda do trabalhador mais pobre segue em queda e ricos já ganham mais que antes da crise

    LER MAIS
  • A última entrevista de Francisco com os jesuítas é reveladora – também de suas contradições

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

24 Setembro 2018

Os críticos do tão esperado acordo entre a China e o Vaticano sobre a nomeação de bispo são apenas uma "minoria barulhenta", disse um bispo do Vaticano na sexta-feira.

A reportagem é de Li Ruohan, de Xian, China, publicada por Global Times, 22-09-2018. A tradução é de Victor D. Thiesen.

“Eles estão muito firmes em sua posição. Eles são barulhentos, mas não há muitos deles. Eles são uma minoria barulhenta”, disse o bispo Marcelo Sánchez Sorondo, também chanceler da Pontifícia Academia de Ciências do Vaticano.

Ele fez essas declarações quando lhe foi pedido que comentasse sobre um referido acordo entre a China e o Vaticano sobre a nomeação de bispos, que os críticos dizem que é um acordo em que a Santa Sé "se vende".

"Em nossa interpretação, os críticos são um grupo minoritário de pessoas, pessoas que quiseram criar problemas", disse o bispo ao Global Times em entrevista exclusiva na sexta-feira.

Sorondo explicou que a importância de ter esse acordo, ou de ter a China mais bem envolvida no mundo católico, é que “o país tem uma população grande com pessoas de boa qualidade, observa o bem comum e tem provado a sua capacidade para grandes missões, como lutar contra a pobreza e a poluição".

Sorondo disse que concorda que o acordo é o primeiro passo para levar a China e o Vaticano a um padrão formal e regular de comunicação, o que é louvável.

Fontes com informação privilegiada sobre o acordo disseram anteriormente ao Global Times que o Vaticano pode enviar uma delegação para a China no final de setembro e, se as negociações correrem bem, o acordo pode ser assinado ainda neste mês.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Geng Shuang, disse em um comunicado diário na sexta-feira que não tem informações sobre nenhuma visita de uma delegação do Vaticano, acrescentando que a China e o Vaticano mantiveram contato eficiente.

A China é uma autoridade influente que respeita a dignidade humana e o planeta. O Papa Francisco também atribui grande importância ao respeito à dignidade humana e aos esforços globais para combater as mudanças climáticas, observou Sorondo.

O Papa adora a China e o Papa Francisco tem um interesse especial na China, em relação à sua formação jesuíta e as conexões históricas entre os dois lados, disse ele.

O Papa Francisco é o primeiro Papa da Companhia de Jesus. Um famoso jesuíta é Matteo Ricci, que é reconhecido por ser flexível em sua abordagem à evangelização e hábil em se comunicar com autoridades chinesas do alto escalão ao longo da história, disseram estudiosos anteriormente ao Global Times.

Sorondo estava em Xian, a capital da província de Shaanxi, no noroeste da China, para um encontro internacional sobre transplante de órgãos.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Críticos do acordo entre a China e o Vaticano formam apenas uma minoria barulhenta, diz bispo Sánchez Sorondo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV