Norte-americanos divididos, mas bispos de outros lugares apoiam o papa na acusação de encobrimento

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco: “O que o Evangelho nos pede é ser povo de Deus, não elite de Deus”

    LER MAIS
  • “Eu fui nomeado o quê? Um carnaval” – a surpresa de um padre de 80 anos

    LER MAIS
  • “Não gosto da roupagem que colocam em nós cardeais, é cara e de príncipe”. Entrevista com o novo cardeal mexicano Felipe Arizmendi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


01 Setembro 2018

Embora os bispos norte-americanos pareçam divididos em reação à sensacional acusação de um ex-embaixador papal nos EUA de que o papa Francisco ignorou as advertências sobre má conduta sexual do ex-cardeal Theodore McCarrick, prelados em outras partes do mundo, especialmente em culturas latinas, parecem estar mostrando forte apoio ao pontífice.

A reportagem é de Inés San Martín, publicada por Crux, 31-08-2018. A tradução é de Victor D. Thiesen.

Declarações recentes nesse sentido foram ouvidas de Portugal, Peru, Espanha e da própria Argentina do pontífice.

De Portugal, uma defesa contra os "ultraconservadores"

"É uma campanha organizada por ultraconservadores para ferir mortalmente o papa", disse o cardeal António dos Santos Marto, de Fátima, Portugal, falando ao jornal eletrônico português Observador sobre a tempestade desencadeada pela acusação de Viganò.

Nomeado cardeal por Francisco no início deste ano, Marto disse que o papa sairá fortalecido da controvérsia, acrescentando, no entanto, que "neste momento é necessário que toda a Igreja manifeste seu apoio ao papa".

Marto prevê que, em algum momento, Francisco mudará de tática e, em vez de evitar dar uma resposta à acusação, como fez ao falar com jornalistas no caminho de volta da Irlanda, ele a abordará de frente, bem como o autor da carta e os que estão por trás disso.

"Agora estamos vendo muitas negações do que o arcebispo diz", disse Marto.

“Em primeiro lugar, a carta foi preparada há muito tempo com jornalistas; alguns dos Estados Unidos, outros da Itália. Especificamente, o jornalista Marco Tosatti, que confessou ter passado três horas com o arcebispo para editar o texto, e que disse que o momento exato da viagem do papa à Irlanda foi escolhido para que "a bomba" - segundo o jornalista - tivesse seus efeitos multiplicados”.

Da Argentina do papa, "compartilhamos sua dor"

“[Como] pastores e fiéis, queremos mostrar-lhe nossa proximidade fraterna e filial neste momento em que você sofre um ataque implacável em que diferentes interesses mundanos se unem”, disse o comunicado divulgado pelos bispos argentinos na quinta-feira.

"Compartilhamos suas dores e esperanças", disseram os prelados argentinos.

A declaração foi assinada pelo bispo Oscar Ojea, de San Isidro, presidente da conferência episcopal local, e pelo bispo Carlos Malfa, de Chascomús, secretário-geral.

Os prelados evitaram fazer qualquer referência direta a Viganò ou sua carta de 11 páginas. Em vez disso, disseram que sabem que Francisco pode dizer como São Paulo: “Por essa causa também sofro, mas não me envergonho, porque sei em quem tenho crido e estou bem certo de que ele é poderoso para guardar o que lhe confiei até aquele dia".

Os argentinos encerram sua declaração pedindo que o Espírito Santo encha o papa com “sabedoria e força” para que, como sucessor de Pedro, “continue nos confirmando na fé da Igreja”.

Do Peru, “proximidade”

Em uma carta endereçada ao papa e tornada pública pela conferência dos bispos peruanos, os prelados expressaram sua “proximidade” a Francisco em meio a “tentativas de desestabilizar a Igreja e seu ministério”.

"Queremos trazer-lhe a nossa proximidade na certeza de que a promessa de Jesus sempre mantém a rocha sobre a qual Ele construiu sua Igreja", disseram os peruanos, enfatizando uma citação do Evangelho de São Mateus: "Você é Pedro e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela”.

Em vista do que descreveram como tentativas de “desestabilizar a Igreja e seu ministério”, eles proclamaram sua fé no “Cristo ressuscitado” e confirmaram seu “apoio pleno, fraternal e episcopal ao seu modo lúcido, corajoso e firme de conduzir o barco de Cristo”.

Da Espanha, "você não está sozinho"

Na quarta-feira, o cardeal Ricardo Blázquez, arcebispo de Valladolid e presidente da Conferência Episcopal Espanhola, enviou uma carta ao papa da cidade de Medellín, na Colômbia, onde participava de um evento que celebrava o 50º aniversário da conferência dos bispos da América Latina (CELAM).

A carta foi parcialmente compartilhada no site dos bispos espanhóis. Nela, Blázquez disse ao papa que "você não está sozinho, a Igreja está orando por você como, em outra época, fez por Pedro".

"Pedimos ao Senhor que ele continue a sustentá-lo em suas lutas diárias pelo Evangelho, que ele lhe dê a sua paz e a capacidade de dar àqueles que estão cansados uma palavra de encorajamento", escreveu o cardeal.

Na carta, Blázquez também agradeceu a Francisco por seu “incansável” trabalho pastoral e dedicação ao “ministério que o Senhor confiou a você”.

O cardeal lembrou que “proclamar o Evangelho com fidelidade e liberdade, denunciar com coragem o que Deus reprova, pedir humildemente perdão pelos pecados e erros dos membros da Igreja, clero e leigos, manifesta-se ocasionalmente sob a forma de uma cruz muito pesada para você, unido em comunhão com Jesus Cristo, o Bom Pastor”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Norte-americanos divididos, mas bispos de outros lugares apoiam o papa na acusação de encobrimento - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV