Dossiê pouco convincente, mas é necessária uma réplica. Nos EUA é apenas o começo, pois as gavetas precisam ser esvaziadas. Entrevista com Thomas Reese

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • No dia 09 de outubro de 2020, o cardeal Tolentino Mendonça abordará as contribuições de Francisco para um futuro pós-pandêmico, em conferência online

    Pandemia, um evento epocal. A encíclica Fratelli Tutti, lida e comentada por José Tolentino de Mendonça, cardeal, no IHU

    LER MAIS
  • É possível o fim da espécie humana?

    LER MAIS
  • O terremoto de Bergoglio. A Secretaria de Estado fica sem carteira

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


31 Agosto 2018

“Não considero nada convincentes as acusações do Arcebispo Viganò que, entre outras coisas, nos anos em que foi núncio nos Estados Unidos não brilhou pela transparência e comportamento responsável, especialmente no caso de um escândalo na diocese de Minneapolis: pediu a um bispo auxiliar para limitar as investigações contra o arcebispo local e destruir provas. Dito isto, suas declarações exigem uma réplica oportuna do Vaticano. A do Papa, em si compreensível, é facilmente resumida pela mídia como uma recusa em responder. É preciso fazer mais. E devemos mexer na Igreja norte-americana, caso contrário, continuaremos assim por anos".

A voz de Thomas Reese é uma voz importante - e fora do coro - no catolicismo estadunidense.

Teólogo jesuíta que foi colunista e diretor de algumas das mais importantes revistas religiosas dos EUA, chamados por Obama para a Comissão da Casa Branca de liberdade religiosa, também entrou em conflito com a Congregação para a Doutrina da Fé por suas posições heterodoxas em assuntos delicados como o aborto e o sacerdócio feminino.

A entrevista é de Massimo Gaggi, publicada por Corriere della Sera, 30-08-2018. A tradução é de Luisa Rabolini.

Eis a entrevista.

Como progressista, vê no documento de Viganò a vingança de um inimigo conservador desse papado?

É fácil rotular Viganò como um subordinado desapontado porque não fez a carreira que desejava. Agora, aposentado, ele se vinga atacando o Pontífice e uma dúzia de cardeais, com muitos dos quais teve confrontos no passado. Fácil, mas errado: suas acusações devem ser examinadas quanto ao mérito e devem ter uma resposta. Não deveria ser difícil, pois Theodore McCarrick, colocado por Viganò no centro da sua denúncia após a renúncia do cardeal, desempenhou toda a sua carreira e teve todas as suas promoções com os papados anteriores: ele se aposentou em 2006.

O fato é que as notícias sobre abusos sexuais continuam a multiplicar-se, especialmente aqui nos EUA, de McCarrick ao grande júri na Pensilvânia: Um escândalo de décadas envolvendo quase todas as dioceses e um grande número de sacerdotes. Os fiéis dos EUA estão abalados como nunca o foram no passado. Eles pedem em massa a renúncia de muitos bispos. Como a Igreja sai dessa situação?

São escândalos que vêm de longe. Eu, que exploro esse triste túnel desde 1985, não estou surpreso. Mas está certo: os fiéis estão indignados, dessa vez sem distinção entre conservadores e progressistas. Em poucos meses as águas vão se acalmar, mas isso é um perigo, não uma oportunidade.

O que o senhor quer dizer?

Os bispos podem se iludir que seja possível seguir em frente sem trazer plena luz sobre os fatos. Mas a Pensilvânia mudou tudo não tanto por causa da gravidade do que é relatado – trata-se em grande parte dos fatos que datam de antes de 2002, a metade dos sacerdotes envolvidos já está morta há muito tempo - mas porque mostra a vontade do governo e da magistratura de intervir. Investigações semelhantes já foram iniciadas pelos ministros da Justiça de Illinois e Missouri. Agora também a Califórnia está se mexendo: em um ou dois anos, outros relatórios chocantes virão a público como aquele que acaba de ser publicado. Melhor lidar com a questão agora, esvaziar todas as gavetas, denunciar as atrocidades do passado. Dessa forma, você também pode demonstrar que as medidas tomadas 10 ou 15 anos atrás, denúncia de pedófilos à magistratura, etc., estão funcionando: escândalos recentes são bem poucos.

Os bispos terão essa coragem? Não existe o medo de um cisma?

Temo que os bispos não terão essa coragem. Mas eu não temo o cisma: aqueles que o ameaçam são barulhentos, mas poucos. Há católicos que desistem, é verdade. Mas as pesquisas dizem que nos deixam porque estão entediados: preferem a música e os sermões crepitantes dos evangélicos.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Dossiê pouco convincente, mas é necessária uma réplica. Nos EUA é apenas o começo, pois as gavetas precisam ser esvaziadas. Entrevista com Thomas Reese - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV