Breves do Facebook

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Manifesto do Laicato em apoio aos bispos que subscreveram a “Carta ao Povo de Deus” com 1440 assinaturas no primeiro dia

    LER MAIS
  • Com mais de 1.500 assinaturas, Padres da Caminhada relançam mensagem de apoio à Carta ao Povo de Deus dos bispos

    LER MAIS
  • “A pandemia viral é o resultado da pandemia psicológica e espiritual”, afirma Gastón Soublette

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


14 Agosto 2018

Cosme Pimenta

"Quase todo o Brasil cabe nessa foto ..."

 

Nancy Cardoso

 

Margarida Maria Alves (1932-1983) atuou no Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Alagoa Grande/PB como tesoureira e depois como presidente, de 1971 até sua morte. Durante suas gestões foram movidas centenas de ações na justiça contra os senhores de engenho e usineiros da região que exploravam demasiadamente os trabalhadores, o que fez dela uma grande liderança política. Também lutou para que fossem respeitados direitos básicos para os trabalhadores urbanos, como carteira de trabalho assinada, 13° salário, jornada de trabalho de 8 horas diárias e férias anuais. Acesse: Memórias culturais

 

Idelber Avelar

Tem sido bastante debatida nas redes a proposta do Ciro Gomes de tirar o nome de 60 milhões de brasileiros do SPC, comprando a dívida e renegociando-a com o poder do Estado. Lendo sobre o assunto e conversando com economistas, cheguei a várias dúvidas sobre a proposta, que coloco aqui para o debate.

Em primeiro lugar, o seu nome pode ir para o SPC a partir do momento em que se configura a inadimplência, mas a grande maioria dos credores espera pelo menos 30 dias antes de fazer o registro (sim, eu sei que a súmula 359 do STJ estipula que o credor deve notificar o devedor antes do registro, mas no Brasil, quem é pobre, já foi pobre ou tem contato com pobre sabe muito bem que a coisa mais comum do mundo são nomes indo para o pau sem aviso prévio). Evidentemente, um bailout do governo é um incentivo a que esse registro seja feito imediatamente depois da configuração da inadimplência. O mero anúncio de Ciro, portanto, em caso da (mui improvável) vitória sua nas eleições, AUMENTA exponencialmente o número de brasileiros negativados (vamos usar esse termo, em vez do popular "nome sujo"), pelo seu efeito de estímulo ao registro.

O registro do SPC é desproporcionalmente distribuído entre credores. Os credores maiores o usam mais, enquanto que muitos dos credores menores utilizam outras formas de cobrança, mais informais. Subsídio governamental a inadimplentes vai, portanto, estimular os credores menores a recorrer ao SPC e beneficiar os grandes credores, os gigantes do sistema financeiro. A resposta a esse argumento é que as dívidas dos grandes empresários têm sido refinanciadas via Refis. Sim, verdade. Mas é isso o que deveria acabar. O Brasil teve DEZESSETE Refis nos últimos dez anos -- e em determinadas zonas rurais, uma vez lançado o estímulo à inadimplência, o efeito é uma bola de neve, porque a região não sobreviveria sem o perdão à dívida.

Segundo números do SPC, o valor médio da dívida dos brasileiros negativados era R$ 2.980 em 2017. O Ciro tem usado o número de R$ 1.400 porque essa é a sua estimativa do abatimento que vai conseguir. Os números realmente existentes HOJE estão mais próximos de 3 mil reais. 3 paus vezes 60 milhões dá 180 bilhões, o que mais que duplica o déficit do orçamento de 2018, que era 159 bilhões. Numa tacada só, Ciro aumenta em quase 110% o rombo do orçamento da União.

Considerando que o subsídio virá do erário e que boa parte dessas dívidas já está provisionada no balanço das grandes instituições financeiras, o efeito é, obviamente, uma baita transferência de renda dos mais pobres para os ricos. Os bancos públicos ficam com a papelada podre.

É sabido que a renegociação de dívidas mais velhas costuma gerar melhores termos, porque o credor tende a ceder para receber algo. O bailout do governo cria, portanto, o estímulo à inadimplência. Depois de zerada, a inadimplência voltaria com tudo, sem nenhum efeito positivo: quem não tinha acesso a crédito fácil continuará não tendo.

Enfim, por tudo o que pude pensar, ouvir e ler, a proposta de Ciro é um exemplo perfeito do que os economistas chamam de risco moral, ou seja, a geração de incentivos ruins. Mas essas são apenas dúvidas. Quem gostou da proposta ou está na campanha de Ciro é mais que bem-vindo para vir aqui defendê-la ou me convencer do contrário.

 

Eduardo Sterzi

O desmantelamento é geral. Descubro agora, em Congonhas, que a filial do Lanche Popular, rede de lanchonetes com preços razoáveis que tinham sido incluídas mesmo nos aeroportos privatizados por iniciativa de Dilma Rousseff, não existe mais.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Breves do Facebook - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV