100 anos, 100 dias

Revista ihu on-line

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Mais Lidos

  • Vandana Shiva: “Temos de destruir o mito de que a tecnologia é uma religião que não pode ser questionada”

    LER MAIS
  • III Jornada Mundial dos Pobres: o papa almoçará com 1500 convidados

    LER MAIS
  • “Em um Brasil deserto de lideranças, Lula vai fazer a festa”, afirma o cientista político Jairo Nicolau

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

01 Agosto 2018

"Remembrance 100" é a iniciativa de um grupo de igrejas e organizações inglesas para promover um período de oração e reflexão cem anos depois do fim da Primeira Guerra Mundial, em nome da paz e da reconciliação.

A reportagem é de Sara Tourn, publicada por Riforma, 31-07-2018. A tradução é de Luisa Rabolini.

Em 4 de agosto de 1918, quarto aniversário da declaração de guerra, o rei George V sancionou um dia nacional de oração, convocando os membros das duas câmaras do Parlamento britânico para um momento especial de culto na igreja de St. Margaret, em Westminster. A Primeira Guerra Mundial terminaria 100 dias depois, no dia 11 de novembro. A uma distância de exatamente um século, algumas igrejas e organizações britânicas decidiram recordar a "grande guerra", e em especial o seu terrível legado de mortes com uma iniciativa para a paz e a reconciliação que relembra aqueles cem dias, de 4 de agosto a 11 de novembro.

Usando seu sítio na Internet são propostas muitas atividades para os mais diferentes grupos: cidadãos individuais, escolas, associações, igrejas. Para cada dia são oferecidas ideias para orações pessoais, ideias para ações concretas para promover a paz no próprio bairro ou comunidade, por exemplo, através de "festas da paz", oportunidades para promover o diálogo.

Outra ideia nascida justamente no contexto da Primeira Guerra Mundial são os "dois minutos de silêncio" para dedicar "à memória cheia de gratidão pelo sacrifício feito por tantas pessoas na guerra, e à reflexão sobre temas eternos de fé, esperança e amor". Mais de 800.000 soldados britânicos morreram no conflito, e em 1921 constavam mais de um milhão de inválidos, deficientes e veteranos com transtornos mentais.

No primeiro aniversário do fim da guerra, foram organizados pelo próprio Rei George, que convocou todos para parar qualquer atividade, "para que em perfeito silêncio, os pensamentos de todos fossem concentrados na lembrança reverente daqueles gloriosos mortos." Desde então, a cada ano, às 11h de 11 de novembro, os dois minutos de silêncio são observados para rememorar o fim da guerra em todos os países da Commonwealth.

Também produziu um folheto contendo muitas propostas cotidianas, que pode ser baixado gratuitamente no site, juntamente com outros materiais (em Inglês, claro); em sua introdução, pensando nos muitos países ainda dilacerado por conflitos armados, nas pessoas mortas ou em fuga, e em aqueles que diariamente "agem com esperança onde se vê pouca luz", o arcebispo de Canterbury, Justin Welby, escreveu: "Sabemos que Deus que deu o Seu Filho para nos trazer a reconciliação escuta as suas orações; pedimos-lhe para abrir nossos corações para nos juntarmos a eles e sermos construtores da paz, transcendendo as fronteiras e as barreiras, radicais em nossa generosidade e acolhimento."

No final do documento, o Arcebispo Justin Welby identificou os "6R da reconciliação": researching (investigação: é preciso questionar-se sobre o que está por trás de um conflito; o que é o verdadeiro problema), relating (não há reconciliação sem relação com o outro; a reconciliação não é um processo mecânico), relief (alívio e conforto dado pela recomposição dos erros e injustiças), risk (o risco primário no processo de reconciliação é o fracasso: existe o risco de ser arrastado para o conflito, que em vez de ser resolvidos acaba piorando), reconciling (a verdadeira reconciliação exige uma mudança total interior e em relação àqueles que já foram nossos inimigos: é uma transformação muito difícil), resoursing (a reconciliação não pode vir de fora, são as pessoas envolvidas no conflito, sempre uma coletividade nunca um único herói, que deve ativá-la; uma contribuição externa pode, no entanto, dar-lhes os recursos adequados).

A iniciativa "Remembrance 100" é apoiada por diversas Igrejas: além de a Igreja da Inglaterra, a Igreja Metodista, a Igreja Reformada Unida, o organismo ecumênico Church Togheter in England, que reúne várias denominações cristãs.

Entre os apoiadores, também organizações religiosas e instituições de caridade para a difusão da Bíblia e da oração (Sociedade Bíblica, Deo Gloria Trust, Lifewords, Scripture Union, Christian Vision for Men), a capelania esportiva no Reino Unido, a União Cristã das Forças Armadas e a organização Hope, um verdadeiro catalisador dos recursos das igrejas individuais, que produziram os materiais.

Também participa a The Peace Alliance, organização sem fins lucrativos norte-americana envolvida no trabalho de construção da paz em nível nacional e internacional, político e legislativo.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

100 anos, 100 dias - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV