Para um terço dos universitários brasileiros, abusar de mulheres alcoolizadas não é violência

Revista ihu on-line

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Mais Lidos

  • Uma análise de fundo a partir do golpe de Estado na Bolívia

    LER MAIS
  • Gregório Lutz e a reforma litúrgica no Brasil. Artigo de Andrea Grillo

    LER MAIS
  • Aumento da miséria extrema, informalidade e desigualdade marcam os dois anos da Reforma Trabalhista

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

14 Junho 2018

Segundo dados de uma pesquisa feita em 2015 pelo Instituto Avon, 13% dos jovens brasileiros já cometeram violência sexual contra uma mulher dentro da universidade. Para piorar, o levantamento diz que 31% dos estudantes de nível superior acredita que abusar de uma jovem alcoolizada não é um ato violento.

A reportagem é publicada por Hypeness, e reproduzida por Ciberia, 13-06-2018.

Para esta parcela considerável da juventude com acesso à educação, estupros ou violações sexuais ocorridas em festas nos campus universitários Brasil adentro não podem ser considerados como uma prática criminosa.

De acordo com o Hypeness, diante deste cenário, percebe-se os efeitos gerados pela ausência de debate sobre sexualidade dentro e fora das escolas. Para o portal, em tempos de movimentos como o “Escola sem Partido”, o caminho é ainda mais complexo.

A educação sexual nas escolas não é comum e a falta dela contraria inclusive recomendações de instituições internacionais com a ONU Mulheres, que em 2017 emitiu alerta sobre o papel da educação na prevenção do machismo.

“É necessário promover a igualdade de gênero em escolas e universidades”, diz a cartilha. É importante ressaltar que este foi um compromisso assumido publicamente pelo Brasil na Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher.

Todavia, atualmente o conservadorismo cresce de forma avassaladora e políticas públicas progressistas estão na berlinda. Para quem não sabe, o Escola sem Partido é uma PL que tramita no Congresso Nacional desde 2016 e que pretende, entre outras medidas, proibir a educação sexual nas escolas, transferindo a responsabilidade para a família.

Agora, como transferir tal incumbência para o seio familiar sendo que em muitas ocasiões os abusos começam dentro de casa? Em recente levantamento, o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) constatou que um quarto dos estupros de crianças ocorre em família.

Por isso, o Hypeness ressalta que educação é fundamental para transformar este cenário, tendo em vista que o sexo ainda é um tabu dentro das famílias brasileiras. Como disse a própria ONU MUlheres, o Escola sem Partido “viola frontalmente a Constituição e os tratados internacionais ratificados pelo Estado brasileiro”

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Para um terço dos universitários brasileiros, abusar de mulheres alcoolizadas não é violência - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV