General à frente da Defesa evita criticar quem pede “intervenção militar”

Revista ihu on-line

Junho de 2013 – Cinco Anos depois.Demanda de uma radicalização democrática nunca realizada

Edição: 524

Leia mais

A esquerda e a reinvenção da política. Um debate

Edição: 523

Leia mais

A virada profética de Francisco – Uma “Igreja em saída” e os desafios do mundo contemporâneo

Edição: 522

Leia mais

Mais Lidos

  • Mãe de jovem morto no Rio: "É um Estado doente que mata criança com roupa de escola"

    LER MAIS
  • Uma viagem rumo à unidade das Igrejas

    LER MAIS
  • EUA. Bispos! Soem as trombetas, estamos esperando

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

29 Maio 2018

A greve dos caminhoneiros está arrefecendo? O Brasil está voltando à normalidade? O Governo Michel Temer teve de dificuldades para responder a essas perguntas com clareza nesta segunda-feira enquanto as principais cidades brasileiras entraram na segunda e mais aguda semana de transtornos. Restou a Temer dizer que tinha "convicção" de que o movimento estava no fim. Após conceder os principais pedidos dos grevistas, entre eles um desconto no preço do diesel, na noite de domingo, os ministros porta-vozes do Planalto anunciaram que a negociação estava encerrada, mas foram obrigados a divulgar números dúbios sobre a mobilização, além de lidar com uma crescente ampliação das pautas, que passaram a reverberar, ainda que não se sabe com qual alcance, um clamor pela queda do Governo e o pedido por uma ilegal "intervenção militar".

A reportagem é de Afonso Benites, publicada por El País, 29-05-2018.

Desde que Temer foi à TV anunciar um acordo ainda mais generoso do que o de quinta com os caminhoneiros, aumentou tanto o número de estradas bloqueadas, quanto de desbloqueadas. De acordo com o último levantamento da Polícia Rodoviária Federal, na manhã de domingo, havia 554 pontos bloqueados e 625 desbloqueados. Nesta segunda-feira, são 594 com alguma restrição e de 742 liberados. De acordo com o diretor-geral da PRF, Renato Borges Dias, esse aumento dos pontos de manifestações traz uma falsa sensação de crescimento do movimento. “Há uma flutuação nos números porque, em algumas cidades, tivemos registros de vans, mototáxi, Uber e até populares. Tudo é contabilizado pela PRF”, afirmou. Conforme Dias, nenhuma região tem bloqueio total de rodovias. “Não há mais bloqueio nem total nem parcial. Estamos registrando pontos de aglomeração de carretas.” O fato é que as duas maiores cidades do país, São Paulo e Rio de Janeiro, tiveram dia de feriado forçado, com menos transporte público e trânsito leve e restrições em hospitais, algo que, mesmo com o desbloqueio parcial, ainda deve demorar para se normalizar.

O fator "intervenção militar"

“Vamos ver o lado cheio do copo, não o vazio”, disse o ministro interino da Defesa, general Joaquim Silva e Luna. “Nós avançamos e muito. A ida e vinda está garantida. Os aeroportos estão funcionando”. Dados do Governo mostram que nenhum dos 15 principais aeroportos brasileiros, responsáveis por 95% dos voos, está sem combustível. Além disso, diz ter liberado o bloqueio que havia sido feito em duas termelétricas e em onze bases de distribuição de combustíveis espalhadas pelo país. “Vamos ver o lado cheio do copo, não o vazio”, diz o ministro.

Quando questionado sobre uma demanda de uma parte dos manifestantes que tem pedido por intervenção militar - uma cifra difícil de mensurar, mas barulhenta -, Silva e Luna evitou fazer críticas. Durante a entrevista coletiva de balanço da operação, o general foi perguntado três vezes sobre esse mesmo tema. Primeiro, ele discorreu sobre o decreto presidencial da Garantia da Lei e da Ordem, que dá a base legal para atuação das Forças Armadas na crise até 4 de junho. Depois, afirmou que, pela função que ocupa, não poderia dar sua opinião pessoal. Por fim, questionado sobre essa demanda que faz alusão a um golpe militar, disse: "A manifestação da vontade é livre. Estamos em um país democrático e as pessoas podem manifestar os seus interesses conforme suas percepções".

A questão é polêmica. Há um debate se a defesa pública de uma "intervenção militar" deveria ser permitida. Se para alguns analistas - e para o general - não há como censurá-los, outros defendem que a incitação contraria um artigo da Constituição que afirma que "constitui crime inafiançável e imprescritível a ação de grupos armados, civis ou militares, contra a ordem constitucional e o Estado Democrático."

Luna, porém, não foi o único a ter de falar do tema. O presidente da Associação Brasileira dos Caminhoneiros (ABCAM), José da Fonseca, criticou os caminhoneiros que levantavam a bandeira da "intervenção militar" e chamou-os de "infiltrados". “Nas conversas com a base, fiquei sabendo de pontos com envolvimento com intervencionistas, mas estamos trabalhando para evitar esse uso político do nosso movimento. Faremos denúncia pública sobre os pontos onde isso está ocorrendo. Se essas pessoas forem penalizadas por autoridades, com multas ou o que for, elas não terão a ajuda da Abcam”, disse Fonseca, conforme a Agência Brasil.

A movimentação na principal rede social no Brasil, o Facebook, também não traz boas notícias para o Governo. Nos últimos dias, das dez notícias sobre a crise dos combustíveis no Brasil mais compartilhadas no Facebook, três repercutem a greve dos petroleiros anunciada para a próxima quarta-feira (30), segundo o Monitor do Debate Político no Meio Digital, uma ferramenta pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP). O levantamento coletou citações à mobilização dos caminhoneiros e analisou o volume de compartilhamentos destes links no Facebook no período entre os dias 26 e 28 de maio. O Monitor identificou que a notícia mais compartilhada leva o título "A paralisação dos caminhoneiros mal acabou e petroleiros já anunciam greve no setor", e foi publicada no site de pequeno porte e que mistura dados factuais com opinião, o Diário do Brasil, no dia 26 de maio. Ela recebeu 239.452 compartilhamentos em um período de apenas três dias. A página Diário do Brasil também foi a origem da segunda notícia mais compartilhada na rede social de acordo com o ranking, com o título "Greve dos caminhoneiros pode derrubar Michel Temer”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

General à frente da Defesa evita criticar quem pede “intervenção militar” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV