Economista rebate esquerda e ortodoxos com crítica a Dilma

Revista ihu on-line

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Mais Lidos

  • III Dia Mundial dos Pobres. A Centralidade dos Pobres na Igreja e na Sociedade

    LER MAIS
  • Cenas de um filme de terror da vida real. Os 30 anos do massacre de Ignacio Ellacuría e seus companheiros

    LER MAIS
  • Aumento de mortalidade no país está diretamente ligado a corte de verbas no SUS

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

01 Junho 2018

Valsa Brasileira: do Boom ao Caos Econômico
Laura Carvalho.
Editora Todavia. R$ 49,90 (192 págs.)

Ex-presidente adotou estratégia desastrosa ao assumir poder, diz Laura Carvalho.

Dois anos depois do impeachment de Dilma Rousseff (PT) e com a economia se recuperando lentamente da recessão em que afundou durante seu governo, a esquerda ainda encontra dificuldades para entender o que deu errado. Para a economista Laura Carvalho, chegou a hora de pôr a colher na discussão.

Aos 34 anos, professora da Faculdade de Economia e Administração da USP (Universidade de São Paulo) e colunista da Folha desde 2015, Laura é uma voz emergente na esquerda e tem visão mais crítica do que a de muitos dos seus colegas no campo heterodoxo.

O comentário é de Ricardo Balthazar, publicado por Folha de S. Paulo, 26-05-2018.

Em “Valsa Brasileira: do Boom ao Caos Econômico”, seu primeiro livro, ela descreve o zigue-zague da política econômica brasileira nos últimos anos como uma sequência de passos de dança desajeitados, que teriam feito o país avançar para depois andar de lado e, finalmente, retroceder.

Laura acha que as coisas começaram a dar errado com a posse de Dilma, em 2011, e o abandono de políticas que tinham produzido bons resultados nos dois mandatos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), de 2003 a 2010.

Em vez de estimular o mercado interno com crédito e investimentos públicos, afirma Laura, a presidente recém-eleita preferiu reduzir impostos e oferecer subsídios à indústria, na esperança de que assim conseguiria fazer o setor privado investir e acelerar os motores da economia.

Para Laura, era a política errada na hora errada, num momento em que o ciclo de valorização das commodities que animara os anos Lula chegava ao fim e as economias mais avançadas ainda não tinham conseguido se recuperar dos efeitos da crise financeira internacional iniciada em 2007.

Como Laura mostra no livro, o resultado foi contrário às expectativas criadas por Dilma. Os investimentos não voltaram, a economia desacelerou, as receitas de impostos encolheram e o governo logo ficou sem margem de manobra para desviar do precipício.

“Abrir mão da realização de investimentos públicos diretos para oferecer desonerações fiscais, subsídios e outros incentivos a grandes empresas pode sair muito caro para as contas públicas e a economia em geral”, diz Laura.

É uma visão divergente da defendida por economistas ortodoxos. Para eles, as raízes da crise deveriam ser buscadas em políticas adotadas no fim do governo Lula para reagir à crise mundial e no aumento dos gastos do governo.

Mas o diagnóstico de Laura também contraria análises feitas na esquerda, como a do cientista político André Singer, também colunista da Folha. No recém-lançado “O Lulismo em Crise”, ele defende as políticas de Dilma e atribui seu fracasso a um boicote liderado por bancos, indústrias e grupos descontentes.

Para Laura, o modelo adotado por Dilma não era “tão progressista quanto pode parecer à primeira vista” e representou uma “política de transferência de renda para os mais ricos”, com resultados que ela classifica como desastrosos.

Laura também critica a estratégia escolhida pelo governo Michel Temer (MDB) para equilibrar as contas do governo e recuperar a economia. O teto imposto aos gastos públicos, que congela por 20 anos boa parte do Orçamento, não passa de um “projeto de longo prazo de desmonte do Estado de bem-estar social brasileiro”, afirma a economista.

Embora não seja filiada a nenhum partido, Laura tem colaborado com o PSOL, recrutando colegas para debater com os responsáveis pela elaboração da plataforma do pré-candidato da sigla à Presidência, Guilherme Boulos.

O livro, que incorpora alguns dos artigos que Laura escreveu para a Folha nos últimos anos, defende o aumento de impostos cobrados dos mais ricos como parte de uma estratégia para recuperar a capacidade do governo de investir e estimular a economia, mas não se aprofunda na discussão da proposta.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Economista rebate esquerda e ortodoxos com crítica a Dilma - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV