Índio, prefeito petista flerta com Bolsonaro

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • Governo autoriza 42 novos agrotóxicos e somando 239 registros no ano

    LER MAIS
  • A justiça social é mais importante para evitar doenças mentais do que medicamentos, afirma relator de saúde da ONU

    LER MAIS
  • A Igreja é contra a Reforma da Previdência

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

26 Maio 2018

Para se eleger prefeito de São Gabriel da Cachoeira, em 2016, Clóvis Saldanha (PT), o Corubão, tinha como maior trunfo um vídeo ao lado do ex-presidente Lula.

Mais recentemente, ele gravou outro vídeo, em que aparece trocando elogios com o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL-RJ).

A reportagem é de Fabiano Maisonnave, publicada por Folha de São Paulo, 25-05-2018.

Abraçado ao ex-capitão do Exército, Corubão, um dos três prefeitos indígenas do país, afirma que é “isso que nós queremos, pessoas firmes lutando pelo nosso desenvolvimento”.

Já o presidenciável aproveita a presença do Corubão para comparar as terras indígenas a zoológicos e defender a exploração mineral nessas áreas.

“O índio é um ser humano igual a nós, vocês estão vendo um aqui.”

“Foi só um migué, na verdade”, assegura Corubão, em entrevista no seu gabinete. “O cara é um pilantra. Só tem conversa, não tem planejamento pro futuro.”

O prefeito diz que o encontro entre os dois, no final de agosto, aconteceu de forma casual — ele estava saindo de uma reunião no Congresso quando viu um alvoroço em torno de Bolsonaro. “Eu que fui lá. A minha voz precisa estar na mídia.”

No entanto, as posições do petista, crítico do movimento indígena nacional, não são tão diferentes às de Bolsonaro.

Na campanha de 2016, a mineração em terras indígenas foi a principal bandeira de Corubão.

Em visitas a comunidades pelo vasto interior do município (pouco maior do que todo estado de Pernambuco), chegava a entregar carteirinhas falsas de garimpeiro, sua antiga ocupação.

É uma promessa que não pode cumprir. Segundo a Constituição, a atividade depende de regulamentação pelo Congresso e precisa ter o aval da população indígena local. O principal projeto de lei sobre o assunto é o 1.610/96, de autoria do hoje senador Romero Jucá (MDB-RR). São mais de duas décadas de tramitação.

E, assim como Bolsonaro, Corubão, da etnia tariano, também se diz contrário às demarcações de terras indígenas. O presidenciável já prometeu que, caso eleito, não demarcará “nem um centímetro a mais” para índios e quilombolas.

“A demarcação trouxe só atraso, a maior escravidão que vivemos no século 21, pro nosso povo indígena”, diz o petista. “O nosso parente indígena não quer ficar preservado na mata, não. Ele quer se instalar fazendo a sua economia, a sua liberdade.”

O prefeito de 45 anos defende que a mineração seja feita por famílias indígenas, de forma artesanal, sem uso de mercúrio. Ele também sonha com a criação de um polo siderúrgico.

Nascido em uma comunidade distante da cidade, Saldanha trabalhou em garimpos de ouro e como pedreiro antes de se tornar um próspero comerciante.

A sua loja, na beira do porto, é uma das que retinham os cartões Bolsa Família de beneficiários indígenas distantes da cidade —a prática, ilegal, foi coibida por uma ação da PF. Na entrevista, o prefeito disse que isso ficou no passado.

O vídeo com Bolsonaro não é o primeiro estranhamento com o PT. Durante a eleição temporã a governador do Amazonas, no ano passado, Saldanha apoiou Amazonino Mendes (PDT), que saiu vitorioso, apesar de seu partido ter lançado candidato próprio, José Ricardo.

No estado, um dos seus aliados é o deputado federal Pauderney Avelino (DEM). Por outro lado, se mantém longe de iniciativas como o Acampamento Terra Livre, que anualmente reúne milhares de indígenas durante o mês de abril, em Brasília. “Se tem a ver com preservação, eu tô fora.”

Eleito com 30% dos votos entre dez candidatos, ele atualmente enfrenta um processo de impeachment na Câmara e uma investigação do Ministério Público Estadual, resultado de uma denúncia do próprio vice-prefeito, Pascoal Alcântara (PT).

O ex-aliado acusa o prefeito de pagar, em dezembro, R$ 1,7 milhão a uma empreiteira para obras em escolas municipais, embora parte delas não tenham sido sequer iniciadas.

Nesta quinta (24), a Câmara deve decidir sobre o impeachment. O Ministério Público Federal (MPF) instaurou um inquérito civil sobre o caso, ainda na fase preliminar.

Sobre o assunto, o prefeito diz que contestará as acusações na Justiça e que a denúncia teve motivação política.

O petista também sofre duras críticas de lideranças indígenas de São Gabriel da Cachoeira (850 km a oeste de Manaus), onde 90% da população de 45 mil é indígena — o maior percentual do país.

O município é um dos mais preservados da Amazônia e tem cerca de 80% do território ocupado por terras indígenas.

Importante liderança da região, o presidente da Foirn (Federação das Organizações Indígenas do Rio Negro), Marivelton Barroso, 26, critica tanto a aproximação com Bolsonaro quanto a abertura de terras indígenas para mineração.

“É uma coisa de vergonha descarada, de gente que não tem noção do que está procurando ou querendo fazer”, diz Barroso, sobre o vídeo. “Quem é que se junta com um cara que declaradamente não gosta de índio, de quilombola?”

“A população indígena e as lideranças lutaram pelo reconhecimento das terras e a sua permanência nelas”, diz Barroso, da etnia baré. “Se não fosse a demarcação, hoje a região estaria hoje dominada pelas empresas. Seríamos apenas uma mão-de-obra de exploração.”

Fundada há 31 anos e formada por 93 organizações indígenas espalhadas ao longo da bacia do rio Negro, a Foirn tem fomentado a comercialização da pimenta, do artesanato e outras atividades tradicionais das 23 etnias que habitam a região.

Contrário à mineração, Barroso cita a corrida do ouro em Serra Pelada, no Pará, como um exemplo negativo. “Enquanto tem o que explorar, parece bom. Mas, depois que acaba, tudo se esvai.”

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Índio, prefeito petista flerta com Bolsonaro - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV