Morte de Ermanno Olmi. Cardeal Ravasi: em seus filmes o "custo da Redenção"

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • O suicídio no clero do Brasil

    LER MAIS
  • “Agro é fogo”: incêndios no Brasil estão ligados ao agronegócio e ao avanço da fome, diz dossiê

    LER MAIS
  • Polícia de RO invade casa de advogada para apreender material de defesa de camponeses

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


08 Mai 2018

Segundo o cardeal Gianfranco Ravasi, amigo pessoal de Olmi, seus filmes expressavam o cristianismo da crucificação.

"O tema da busca, a fé considerada como inquietação e a encarnação do cristianismo, visto como religião dos pobres, dos últimos". Esses são, segundo o cardeal Gianfranco Ravasi, presidente do Conselho Pontifício para a Cultura, as duas características mais evidentes da cinematografia de Ermanno Olmi, diretor, roteirista e escritor de Bérgamo, que morreu em Asiago nesta segunda-feira, aos 86 anos.

Segundo Ravasi – que sempre foi um admirador de Olmi desde suas primeiras obras, além de grande amigo – é justamente em um de seus filmes menos famosos, Camminacammina', dedicado aos Reis Magos, que o diretor italiano expressou explicitamente a qualidade de sua poética: “a busca, a peregrinação no absoluto". "O outro lado - continua o purpurado - era o de um cristianismo encarnado, e, portanto, dos últimos. Um cristianismo marcado profundamente pelo sofrimento, pela pobreza e por uma aspiração que sobe da terra para o Céu".

A reportagem é de Fabio Colagrande, publicada por Vatican News, 07-05-2018. A tradução é de Luisa Rabolini.

Na luta contra a dúvida

"Um das melhores sínteses da obra de Olmi foi formulada por outro amigo em comum, Sergio Zavoli, quando afirmou que a cada dia a fé e o amor devem ser conquistados com uma luta contra a dúvida e, portanto, a vitória sobre a dúvida é a única afirmação da fé". "A inquietação da Fé era tão presente em seus filmes - acrescenta Ravasi - que definiria seu cristianismo como 'francês', porque encarnava as grandes questões dos autores do séc. XX francês."

Um cinema da espiritualidade atormentada

"Apesar da maneira serena e positiva com a qual Ermanno Olmi se relacionava com os outros, com os seus amigos, a sua obra refletia uma espiritualidade atormentada", acrescentou o cardeal Ravasi. "Era a representação da doçura e da ternura, mas a sua obra era provocativa - basta pensar a ‘Centochiodi’ ou ao 'Villagio di cartone' - e bastante crítica em relação a um catolicismo que não refletia totalmente, aos seus olhos, o 'custo' da redenção, o 'custo' da Fé, uma fé que precisa ser arrancada da alma e da carne."

O cristianismo da crucificação

"Aquele de Olmi - Ravasi conclui - era principalmente o cristianismo da crucificação. Naturalmente nos seus filmes sempre paira um clima de Páscoa, porque ele era um grande crente. Mas, para ele, 'o consenso sem sofrimento dado a Deus é uma forma de não responder'. E nessa afirmação, que era de outro nosso amigo comum, Carlo Bo, transparece a representação mais verdadeira da Fé de Olmi: encontramos Cristo e, mais em geral Deus, no sofrimento, no limite, na caducidade. A estrada mais difícil - o lugar onde paradoxalmente podem ser comemoradas as apostasias - e, portanto, a dor, as injustiças do mundo, era ao contrário, aos olhos de Ermanno Olmi, o lugar da epifania por excelência". "É por isso que seus filmes podiam parecer provocativos para a teologia. Jesus Cristo encarnado - que é história e mistério, humanidade e transcendência - é por excelência o rosto último em que se espelhou Olmi e que agora creio, como crente, poderá finalmente contemplar".

Nota da IHU On-Line: No XVIII Simpósio Internacional IHU.A virada profética de Francisco. Possibilidades e limites para o futuro da Igreja no mundo contemporâneo, a ser realizado de 21 a 24 de maio de 2018, na Unisinos – campus Porto Alegre, será apresentado o último filme de Olmi, intitulado ‘Sono uno de voi’. Trata-se de um documentário sobre o cardeal Carlo Maria Martini. A exibição do documentário ocorrerá no dia 21 de maio, às 10h.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Morte de Ermanno Olmi. Cardeal Ravasi: em seus filmes o "custo da Redenção" - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV