Núncio repreende posicionamento de cardeal Marx sobre crucifixos na Bavária

Revista ihu on-line

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Mais Lidos

  • Vandana Shiva: “Temos de destruir o mito de que a tecnologia é uma religião que não pode ser questionada”

    LER MAIS
  • III Jornada Mundial dos Pobres: o papa almoçará com 1500 convidados

    LER MAIS
  • “Em um Brasil deserto de lideranças, Lula vai fazer a festa”, afirma o cientista político Jairo Nicolau

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

03 Maio 2018

"Se a cruz é vista apenas como um símbolo cultural, então não foi compreendida", disse o cardeal Marx

O núncio austríaco, arcebispo Peter Zurbriggen, censurou os bispos alemães que criticaram a decisão da Baviera em colocar crucifixos nas entradas de todos os edifícios públicos.

A informação é de Christa Pongratz-Lippitt, publicada por The Tablet, 02-05-2018. A tradução é de Victor D. Thiesen.

O cardeal Reinhard Marx de Munique, presidente da Conferência Episcopal Alemã, disse ao "Süddeutsche Zeitung", no dia 30 de abril, que a decisão “desencadeou divisão, atiçou problemas e jogou as pessoas umas contra as outras".

Defendendo a nova lei, o novo líder da Baviera, Markus Söder, insistiu que o crucifixo é "um símbolo fundamental da nossa identidade bávara e estilo de vida".

O cardeal Marx rejeitou esta ideia. "Se o crucifixo é apenas visto como um símbolo cultural, então não tem sido compreendido", disse ele, insistindo que era um sinal de oposição à violência, injustiça, pecado e morte, mas não um sinal contra outras pessoas.

O debate sobre o crucifixo ainda é importante, disse ele, pois trouxe à luz a necessidade de discutir o que significou viver em um país moldado pelo cristianismo. "a cruz significa incluir todos, cristãos, muçulmanos, judeus e não-crentes", disse Marx.

O arcebispo Zurbriggen, se pronunciou contra a posição de Marx. "como núncio, um representante do Santo Padre, estou profundamente triste e envergonhado de que, quando cruzes são erguidas em um país vizinho são os bispos e sacerdotes que protestam," disse o arcebispo Zurbriggen em uma palestra que na abadia Heiligen Kreuz, nos Bosques de Viena, no dia 1o. de maio.

A crítica dos bispos alemães foi uma "desgraça que não se pode aceitar", sublinhou e acrescentou: "meus queridos irmãos e irmãs, esta correção religiosa – de cunho político – está lentamente me irritando". Ele foi muito aplaudido.

A ação relativa à colocação das cruzes entra em vigor no dia 1o. de junho.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Núncio repreende posicionamento de cardeal Marx sobre crucifixos na Bavária - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV