A redução da fome no mundo e o futuro de insegurança alimentar

Revista ihu on-line

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Nietzsche. Da moral de rebanho à reconstrução genealógica do pensar

Edição: 529

Leia mais

China, nova potência mundial – Contradições e lógicas que vêm transformando o país

Edição: 528

Leia mais

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Nietzsche. Da moral de rebanho à reconstrução genealógica do pensar

Edição: 529

Leia mais

China, nova potência mundial – Contradições e lógicas que vêm transformando o país

Edição: 528

Leia mais

Mais Lidos

  • As sete antífonas do 'Ó': celebrando o mistério da vinda de Jesus

    LER MAIS
  • Dowbor: há saída no labirinto capitalista?

    LER MAIS
  • A resposta aos coletes amarelos deve ser também europeia. Entrevista com Thomas Piketty e Stéphanie Hennette-Vauchez

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

04 Abril 2018

"A insegura alimentar está muito associada à pobreza extrema e à degradação ambiental e a recessão de 2014-2016, assim como a lenta recuperação do emprego e do poder de compra da população mais pobre pode agravar o quadro de subnutrição, como acontece de maneira terrível na Venezuela", diz José Eustáquio Diniz Alves, doutor em demografia e professor titular do mestrado e doutorado em População, Território e Estatísticas Públicas da Escola Nacional de Ciências Estatísticas – ENCE/IBGE, em artigo publicado por EcoDebate, 02-04-2018.

Eis o artigo. 

“De pé ó vítimas da fome; De pé famélicos da terra” Hino da Internacional Socialista

A letra do hino “A Internacional” foi composta em 1871, por Eugène Pottier (1816-1887), que havia sido um dos membros da Comuna de Paris. Os primeiros versos do hino diz: “De pé ó vítimas da fome; De pé famélicos da terra”.

Estes versos refletiam a situação daquele momento. A carência de alimentos era uma realidade que ceifava milhões de vítimas. O maior número absoluto de óbitos provocados pela fome aconteceu exatamente na década de 1870, quando 20,4 milhões de pessoas morreram por inanição no mundo, conforme pode ser visto no gráfico abaixo do portal “Our Word in Data”.

Na década de 1880 o número de vítimas caiu para menos de 3 milhões, mas voltou a subir para quase 10 milhões na década de 1890. Surpreendentemente, o número de óbitos por fome diminuiu na década de 1910 – quando houve a Primeira Guerra Mundial – mesmo que o número de 2,6 milhões tenha sido ainda muito elevado.

Na década de 1920 a fome cresceu muito novamente, atingindo 16 milhões de vítimas fatais devido, principalmente, à situação da União Soviética e da China.

Na década de 1940 – quando aconteceu a Segunda Guerra Mundial – a fome bateu todos os recordes do século XX, com 18,6 milhões de vítimas. Na década de 1960 a fome voltou a assustar, mas principalmente pela grande crise provocada pelos equívocos da política de “Um grande salto para frente” da China.

Passado a grande tragédia da fome na China na década de 1960, o número de vítimas da insegurança alimentar diminuiu muito no mundo nas décadas seguintes, sendo que o número de mortes atingiu o menor nível na atual década (2010-16).

O gráfico abaixo permite uma visão mais clara sobre o efeito da fome, considerando o total populacional. A taxa de mortes por conta da fome teve o seu maior valor na década de 1870, quando atingiu 1.426 mortes para cada 100 mil habitantes no mundo. A taxa caiu na décadas seguintes, embora teve picos de cerca de 800 por 100 mil nas décadas de 1920 e 1940.

A partir da década de 1970 as taxas caíram significativamente, ficando em 88 por 100 mil habitantes em 1970, 43 por 100 mil na primeira década do século XXI e em apenas 3 por 100 mil habitantes entre 2010-16. Ou seja, houve uma grande redução dos “famélicos da Terra”.

Os cornucopianos do mundo comemoram. Mas este quadro positivo de redução da fome está ameaçado. Artigo de George MonbiotMass starvation is humanity’s fate if we keep flogging the land to death”, publicado no The Guardian (11/12/2017) alerta para a volta do flagelo da fome se a humanidade continuar degradando os solos, as fontes de água, a estabilidade do clima e evitando as dietas vegetarianas e veganas. A redução das populações de insetos – especialmente da abelha – pode gerar uma grande crise alimentar, pois não há produção agrícola em massa sem os polinizadores.

Monbiot chama a atenção para a necessidade de recuperação dos solos, o cuidado com a água potável e as formas de adaptação ao aquecimento global para viabilizar a alimentação dos próximos 4 bilhões de novos habitantes do Planeta até 2100. Mas uma mudança crucial é a mudança da dieta cárnea para uma dieta vegetal com base na agricultura orgânica.

O Brasil acompanhou a tendência global e diminuiu a percentagem de pessoas passando fome no país. Contudo, a edição de março da revista Radis, da Fiocruz, destacou risco de o Brasil voltar ao Mapa da Fome. A insegura alimentar está muito associada à pobreza extrema e à degradação ambiental e a recessão de 2014-2016, assim como a lenta recuperação do emprego e do poder de compra da população mais pobre pode agravar o quadro de subnutrição, como acontece de maneira terrível na Venezuela.

O certo é que será impossível continuar reduzindo o número de pessoas que morrem de desnutrição e fome se, num mundo cada vez mais desigual, a produção de alimentos é feita às custas da saúde do meio ambiente e da extinção em massa das espécies que compartilham a mesma Casa Comum.

Referências:

Joe Hasell and Max Roser. Famines. Our Word in Data, 2017
https://ourworldindata.org/famines/

George Monbiot. Mass starvation is humanity’s fate if we keep flogging the land to death, The Guardian, 11 December 2017
https://www.theguardian.com/commentisfree/2017/dec/11/mass-starvation-humanity-flogging-land-death-earth-food

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A redução da fome no mundo e o futuro de insegurança alimentar - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV