Uniões civis: ''Primeiro é preciso que a Igreja nos considere como casais''

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco condena perseguição antigay e está preocupado com “cura gay”

    LER MAIS
  • Opositores do papa: continuem assim

    LER MAIS
  • Católicos e anglicanos - Trabalhar juntos para bem da humanidade, diz secretário do Vaticano

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

05 Fevereiro 2018

Tudo começou em 2006, quando foi realizada em Turim a Parada Gay nacional, e os organizadores pediram e obtiveram o “sim” para serem recebidos pelo então arcebispo, o cardeal Severino Poletto.

A reportagem é de Fabrizio Assandri, publicada por La Stampa, 03-02-2018. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis a entrevista.

Alessandro Battaglia, coordenador do comitê Torino Pride, por que aquele encontro?

Aquele suposto diálogo foi desejado por muitos que se interrogavam sobre a dicotomia entre ser gay e ser religioso. Nós também escrevemos para as outras confissões. A Igreja Valdense, dois imãs, a comunidade judaica e a diocese nos responderam.

Mas por que você fala de “suposto” diálogo?

Foi uma tentativa, mas não teve nenhum sucesso. Diante de declarações feitas até mesmo pela própria diocese contra os casais gays – às vezes éramos chamados de doentes ou, em todo o caso, de “equivocados” –, aquela interlocução se esgotou.

Mas houve resultados?

Claro. Há padres esclarecidos, que ajudaram os gays, mas, de verdade, a encontrar alívio na vida de fé e na própria vida afetiva sem renunciar a uma das duas.

E o retiro sobre fidelidade vai nesse sentido?

A Igreja é uma realidade complexa, e o convite à fidelidade não se concilia com quem não nos considera como casal. Discutamos, sim, sobre fidelidade, mas, primeiro, reconheçamos as uniões entre pessoas do mesmo sexo. Caso contrário, ocupamo-nos de uma parte, a fidelidade, sem nos ocuparmos do todo.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Uniões civis: ''Primeiro é preciso que a Igreja nos considere como casais'' - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV