Awa Guarani – Terra Roxa e Guaíra: racismo, preconceito e extermínio

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Biden e o Papa – a lista negra da Igreja nos Estados Unidos e o futuro do catolicismo. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • O declínio da Teologia da Libertação: uma releitura de 'O novo rosto do clero' de Agenor Brighenti

    LER MAIS
  • Liturgia e sinodalidade. Questões-chave

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


25 Janeiro 2018

A luta dos Awa Guarani no extremo oeste do Paraná é uma peleja de vida ou morte, sua demanda por um naco de terra suficiente para sua manutenção e vivência enquanto povo vem de décadas, enquanto isso não ocorre por desídia e cumplicidade do Estado brasileiro, perecem, morrem de doenças, fome, suicídio.

A informação é de Dr. Marcelo Chalréo e Diego Pelizzari, publicada por CEBs do Brasil, 24-01-2018.

Confinados em minúsculos pedaços de terra, amargam toda sorte de preconceito e racismo por parte de membros das elites locais que os querem, quando querem, como mão de obra barata que se pode usar, moer e jogar fora. Não têm acesso a bens e serviços públicos, e, quando conseguem, são atendidos como gente de terceira ou quarta categoria.

Tratados com desprezo e invisibilizados há décadas e décadas, resistiram à grilagem de terras públicas decorrente dos loteamentos criminosos dos anos 40, 50 e 60 perpetrados pelos governos do Paraná no século passado, à megalomania de Itaipu – binacional, ao agronegócio que tudo devasta, destrói e engole.

Mas mesmo diante de toda essa devastação que os devassa enquanto gente e povo, resistiram e resistem ante o irretorquível direito de um lugar ao sol ; contando com o apoio de poucos e poucas, o desmantelamento dos órgãos do Estado responsáveis pelas políticas indigenistas, demandam e têm milenar e secular direito, como direito natural, inscrito desde sempre em todos os códigos dos direitos dos homens e das mulheres, à demarcação dos seus ancestrais territórios, como espaço de vida e bem viver, pois sem isso não são e jamais serão Awa Guarani.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Awa Guarani – Terra Roxa e Guaíra: racismo, preconceito e extermínio - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV