A ''guerra do bispo Barros'': prelado deveria renunciar imediatamente

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • A Igreja é contra a Reforma da Previdência

    LER MAIS
  • A justiça social é mais importante para evitar doenças mentais do que medicamentos, afirma relator de saúde da ONU

    LER MAIS
  • Governo autoriza 42 novos agrotóxicos e somando 239 registros no ano

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

22 Janeiro 2018

No doloroso caso do bispo chileno Juan Barros, acusado por muitos de ter sido responsável de ter ocultado comportamentos repugnantes do padre Fernando Karadima (condenado em âmbito civil e canônico por pedofilia e outros crimes), a Igreja local e também o Vaticano nem sempre tomaram as melhores decisões.

O comentário é de Luis Badilla, publicada no sítio Il Sismografo, 21-01-2018. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Houve erros até o último momento, mesmo quando o Santo Padre estava no Chile, há poucos dias. À primeira vista, parece que ele mesmo não teve a oportunidade de avaliar a fundo o que estava acontecendo fora e dentro do país sobre esse caso que se prolonga há vários anos e que já é chamado no Chile de “guerra de Barros”.

Os protagonistas do “caso Karadima” no Chile. De joelhos, Fernando Karadima, enquanto é abençoado pelos presbíteros que, sob diversas formas, se envolveram na história que divide o Chile e a opinião pública: os bispos Horacio Valenzuela, Juan Barros (o segundo da esquerda para a direita), Andrés Arteaga e Tomislav Koljatic, na paróquia El Bosque (Foto: Il Sismografo)

Sendo assim, e após o posicionamento do cardeal arcebispo de Boston, Sean O’Malley, que se encontrou com o papa em Lima nesse domingo, não se podem cometer mais erros, e seria bom que todos os responsáveis ponderem a questão com grandíssima seriedade. Nesse caso, chegou-se à beira do penúltimo erro, muitas vezes mais grave do que o último.

Não está em jogo apenas o caso chileno individual e os seus protagonistas. É a Igreja Católica toda, por toda a parte, que acompanha a questão com angústia e preocupação, e, neste caso, como disse o Papa Francisco muitas vezes, que ninguém se sinta “proprietário” dessa Igreja.

A comunidade desejada por Cristo não é do papa, dos cardeais ou dos bispos... é de todos, também dos leigos que muitas vezes importam pouco, infelizmente. Nessa questão, porém, atenção, os leigos podem ser decisivos para sair do pântano onde essa triste história parece ter acabado. É hora de não subestimar mais essa dimensão. A Igreja Católica nunca sairá da tragédia dos abusos sexuais de menores de idade sem o apoio e a contribuição do laicato.

Do Chile, nestas horas, chegam notícias preocupantes que, se forem verdadeiras, são ainda mais sérias. Parece que, para uma parte dos católicos chilenos, a “guerra de Barros”, na qual se insere o próprio papa depois das suas declarações na cidade de Iquique a dois jornalistas chilenos (se não houver provas, corremos o risco da calúnia...), é a oportunidade para uma revanche sobre aquela parte do mundo eclesial local, frágil, assustado e hesitante, que tenta reviver os destinos dessa Igreja tão sofrida e ferida, em crise e declínio há algumas décadas.

Para a Igreja do Chile, o caso já se tornou a maldição “Karadima-Barros”, que devasta enormemente uma comunidade como a chilena, parte luminosa da história do catolicismo latino-americano.

Ora, a primeira coisa a se fazer – para restaurar serenidade e respeito recíproco e iniciar uma solução adequada à questão – é clara. O bispo de Osorno, Dom Juan Barros, deve renunciar, e o papa deveria aceitar imediatamente essa decisão do prelado.

* * *

Certamente, o Papa Francisco, no Chile, superou bem ou, melhor, muito bem algumas armadilhas que, muito antes da sua chegada, obscureciam a viagem e a visita. Eram e são obstáculos quase todos ligados a uma história do país e da Igreja que se arrasta, embora de modos diferentes, desde 1970, quando quem ganhou as eleições presidenciais foi Salvador Allende, social-democrata marxista, e que, mil dias depois, foi derrubado com um feroz golpe militar encorajado e apoiado pela maioria dos líderes do pensamento e da tradição social-cristã.

Vieram, depois, 17 anos horríveis de ditadura, a de Augusto Pinochet, que acabou há 28 anos. No período dos militares golpistas, a Igreja chilena estava dividida, e tais antagonismos, com linguagens e conteúdos diversos, se prolongaram por muitos anos no período democrático posterior, de 1990 até hoje.

Para o papa, talvez, foi uma das visitas mais difíceis, até porque, em uma parte relevantes desse declínio de mais de 40 anos – falo, obviamente, da Igreja local – há responsabilidades diretas do Vaticano, em particular do período do pontificado de São João Paulo II.

Nesse contexto, para que nos entendamos melhor e bem, deve-se enfatizar que a questão dizia respeito à nomeação dos novos bispos, aos conselhos e sugestões ao pontífice dos diversos núncios apostólicos. Assim, lentamente e às vezes de modo imperceptível, a Igreja chilena, parte luminosa da história do catolicismo latino-americano, depois do extraordinário momento diretamente ligado à instituição do Celam por Pio XII e depois da corajosa barreira de diversos bispos contra as violações dos direitos humanos por parte de Pinochet, exemplo e modelo para outras Igrejas da região, viu-se envolvida em um caso nojento e repugnante como o de Fernando Karadima e de alguns dos padres que foram formados por ele na comunidade de El Bosque.

Leia mais:

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A ''guerra do bispo Barros'': prelado deveria renunciar imediatamente - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV