“Vivemos na sociedade do estorvo”, constata novo arcebispo de Paris

Revista ihu on-line

Veganismo. Por uma outra relação com a vida no e do planeta

Edição: 532

Leia mais

Etty Hillesum - O colorido do amor no cinza da Shoá

Edição: 531

Leia mais

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Veganismo. Por uma outra relação com a vida no e do planeta

Edição: 532

Leia mais

Etty Hillesum - O colorido do amor no cinza da Shoá

Edição: 531

Leia mais

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Mais Lidos

  • Presidente do Bradesco enquadra Bolsonaro: não está entregando o combinado

    LER MAIS
  • A Igreja precisa discutir seriamente o celibato, o papel das mulheres e a moral sexual, afirma Cardeal Marx

    LER MAIS
  • As tranças de Greta e a encíclica do Papa Francisco

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

13 Janeiro 2018

“Vivemos na sociedade do estorvo”. O novo arcebispo de Paris, Michel Aupetit, concedeu uma entrevista ao jornal Le Monde em que defende “a capacidade de uma sociedade para integrar a fragilidade”, frente ao aborto, à eutanásia ou ao descarte.

A reportagem é de Jesús Bastante, publicada por Religión Digital, 12-01-2018. A tradução é de André Langer.

Na opinião de Aupetit, o que está em jogo hoje é a defesa de uma sociedade humana, pois “o que nos faz humanos é a solidariedade com os mais fracos” e também com os imigrantes, em uma “acolhida incondicional de todas as pessoas”.

“Como fazer para que cada pessoa possa encontrar seu lugar, mas pensando em todos os outros?”, pergunta-se o bispo, que é médico de profissão, e entrou no seminário aos 39 anos. Durante a sua carreira profissional, ele lidou especialmente com deficientes: “Eles me ensinaram mais do que o resto dos meus pacientes”, afirma.

É por isso que o arcebispo de Paris considera “medonho” que “se elimine as pessoas com deficiências antes de nascerem”. Nesse sentido, relata como “um amigo belga me contou que seus pais já haviam integrado a ideia de que se algum dia estiverem mal de saúde estavam preparados para morrer”.

“Para esse casal de idosos belgas, tornou-se normal passar pela eutanásia”, disse dom Aupetit. “Vivemos na sociedade do estorvo”, conclui.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Vivemos na sociedade do estorvo”, constata novo arcebispo de Paris - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV