O Vaticano esclarece: Francisco não usa WhatsApp

Revista ihu on-line

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Mais Lidos

  • Uma análise de fundo a partir do golpe de Estado na Bolívia

    LER MAIS
  • Gregório Lutz e a reforma litúrgica no Brasil. Artigo de Andrea Grillo

    LER MAIS
  • Lula desequilibra o jogo. Craque é craque

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

14 Dezembro 2017

"É falso que o Santo Padre usa o serviço de mensagens WhatsApp. Ele não envia mensagens ou bênçãos através deste meio". Assim, com um breve tweet em espanhol de sua conta social, o porta-voz do Vaticano Greg Burke desmentiu qualquer iniciativa digital envolvendo o Bispo de Roma.

A informação é publicada por Vatican Insider, 13-12-2017. A tradução é de Luisa Rabolini.

A sua declaração chega depois do lançamento de um aplicativo que simula conversas com o Papa. Esta semana, na Argentina, uma fundação que leva o nome Papa Francisco apresentou uma plataforma tecnológica que permite "comunicar-se diretamente" com o Pontífice através do WhatsApp e manter-se atualizado sobre as suas atividades. A iniciativa, no entanto, não tem nenhuma ligação com a Santa Sé, ainda mais que a organização que a concebeu nunca teve qualquer aprovação oficial.

O grupo também explicou que se trata de um Wabot-Papa Francisco, uma espécie de robô automatizado que gera um processo de conversa inteligente totalmente autônoma e que permite certo nível de diálogo. É principalmente essa característica que suscitou as preocupações do Vaticano, além do fato de que o serviço é ativado contatando um telefone celular com número da Argentina que traz o nome e a foto do Papa.

(Foto: Vatican Insider)

Como o Vatican Insider teve oportunidade de testar, escrevendo “Hola” para esse contato se obtém imediatamente uma resposta por sms: "Hola, sou o Papa Francisco, estou muito feliz em falar com você". Depois é apresentado um menu com várias opções, tais como biografia, notícias e assim por diante.

O projeto da fundação parece contar com alguns apoios institucionais, tanto que foi apresentado publicamente no Salão Cézanne do Palácio San Miguel de Buenos Aires na presença de “autoridades e funcionários nacionais, membros da Igreja e empreendedores".

"Com um número de telefone, os fiéis podem acessar as informações que procuram e, através da tecnologia Wabot, são enviadas respostas às mensagens através de textos, imagens, vídeo, áudio e documentos. Também pode ser simulada uma conversa com Sua Santidade. A tecnologia Wabot permite que toda a comunidade católica ou de qualquer credo possa interagir com o Papa", explicam os criadores em um comunicado.

Eles enfatizaram que tudo começou com um grupo de jovens programadores que ofereceram "uma ferramenta tecnológica desenvolvida em nosso país", que permite ao Papa "ficar conectado com os argentinos". No comunicado também consta que Francisco "acredita que a tecnologia possa ajudar muitas pessoas" e a considera "como o futuro das comunicações".

Enquanto isso está sendo preparada uma segunda fase do projeto que envolve uma plataforma de conversas em diferentes línguas para que o Papa-robô possa interagir com pessoas de todo o mundo.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O Vaticano esclarece: Francisco não usa WhatsApp - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV