O Papa responde aos dubia, mas os poloneses não se convencem: "Precisamos de mais esclarecimentos"

Revista ihu on-line

30 anos da Constituição – A experiência cidadã incompleta

Edição: 519

Leia mais

Violência e suas múltiplas dimensões

Edição: 518

Leia mais

O Brasil na potência criadora dos negros – O necessário reconhecimento da memória afrodescendente

Edição: 517

Leia mais

Mais Lidos

  • Cardeal Scola: ''A eleição de Francisco foi um soco no estômago e ainda não acordamos"

    LER MAIS
  • A disputa das elites e a falência da democracia paraguaia. Entrevista especial com Junior Ivan Bourscheid

    LER MAIS
  • Francisco concorda com seus críticos: um papa pode estar errado

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

13 Dezembro 2017

O Papa respondeu aos dubia sobre a correta interpretação de Amoris laetitia e agora "a discussão está encerrada", declarou o cardeal Walter Kasper, teólogo bastante estimado por Francisco. Na semana passada, foi oficializada a inclusão nos Acta Apostolicae Sedis (Diário Oficial da Santa Sé) da carta que, em setembro de 2016, o Papa havia enviado aos bispos argentinos, que anteriormente tinham colocado por escrito uma interpretação de uso interno da controversa exortação pós sinodal, em especial em relação ao item que aborda à reaproximação dos divorciados recasados com a eucaristia.

Uma carta na qual o Papa ressaltava que "o texto é muito bom e explica de forma exaustiva o capítulo oitavo de Amoris laetitia".

A informação é de Matteo Mateuzzi, publicada por Il Foglio, 12-12-2017. A tradução é de Luisa Rabolini.

Bergoglio acrescentava que "não são possíveis outras interpretações". Contudo aquela "decisão" permanecia restrita a uma carta enviada à Conferência Episcopal, fato que não tinha interrompido a profusão de interpretações sobre a exortação promulgada após o biênio do sínodo sobre a família.

Há poucos dias, o secretário de Estado, Pietro Parolin, confirmou que a carta foi publicada nos Acta por vontade direta do Papa, que quis elevá-la a "magistério autêntico". Traduzido o gesto: não vai ser possível diminuir sua magnitude, reduzindo os elogios a mensagem privada enviada a amigos de velha data. E foi justamente Kasper, na Rádio Vaticano, que declarou que não há mais nenhuma razão para duvidar, para questionar o Papa sobre o assunto, porque agora tudo está claro. Isso significa que, "quando as circunstâncias concretas de um casal (de divorciados recasados) o tornam possível, especialmente quando ambos são cristãos com uma longa caminhada de fé, pode ser proposto o compromisso de viver em continência".

Amoris laetitia, porém, "não ignora as dificuldades dessa opção e deixa aberta a possibilidade de ter acesso ao sacramento da reconciliação quando houver falha a respeito". Contudo, é possível - está escrito na interpretação dos bispos argentinos - que essa opção não seja 'viável'. Mesmo nesse caso, é possível realizar "um caminho de discernimento" e "acabar por reconhecer que, em um determinado caso concreto, existem limitações que atenuam a responsabilidade e a culpa, especialmente quando uma pessoa considera que cairia novamente em falta causando danos aos filhos da nova união, Amoris laetitia abre a possibilidade de acesso aos sacramentos da reconciliação e da eucaristia".

Contudo, apesar de tudo isso, totalmente claro não deve ser, se for verdade que os bispos poloneses - entre os mais relutantes em assumir as conclusões do Sínodo - reafirmaram, através das palavras de seu presidente, Mons. Stanislaw Gadecki, que a questão relativa ao acompanhamento dos casais divorciados "requer maiores esclarecimentos, visto que nós não queremos enganar ninguém apresentando esse problema em termos gerais que na realidade não significam nada".

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O Papa responde aos dubia, mas os poloneses não se convencem: "Precisamos de mais esclarecimentos" - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV