8º Dia de Greve de Fome: começam a aparecer os primeiros sinais de debilidade

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • A ONU alerta que a covid-19 acelerará a transferência do poder econômico e político para as elites ricas

    LER MAIS
  • “Em nossa história moderna nunca sofremos duas revoluções tão profundas, em tão pouco tempo”. Entrevista com Ángel Bonet Codina

    LER MAIS
  • #MeToo e os novos movimentos eclesiais. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


13 Dezembro 2017

Há mais de uma semana, camponeses do Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA) estão em greve de fome na capital federal contra a reforma da Previdência e os primeiros sinais de debilidade começam a ser diagnosticados, como dor de cabeça e estômago, fraqueza e dificuldade de locomoção.

A reportagem é publicada por Movimento dos Pequenos Agricultores - MPA, 12-12-2017.

Ronald Wolff, médico que acompanha os 7 grevistas em Brasília, diz estar muito preocupado com o estado de saúde de alguns grevistas que já se encontram no 8º dia de greve. “Começam a apresentar alguns sintomas já preocupantes”, afirma o doutor. Que ainda questiona, “será que vai ser preciso agravar a saúde de um frei e de uma mulher lutadora para que os representantes do povo brasileiro se sensibilizem e comecem a compreender o que é que está em jogo?”.

Ao mesmo tempo, outros locais do país iniciam greves do fome, como é o caso de Sergipe, que tem 4 militantes do MPA em greve de fome na Câmara Legislativa: Samuel Carlos, Elielma Barros, José Valter Vitor e Eliana Sales. E, no município de Canguçu (RS), mais 4 companheiros iniciaram greve de fome nesta segunda-feira, 11: Lucas Pinheiro, Rosane do Amaral e Marlei Sell do MPA, e Celis Madri, do Sindicato dos Municipários de Canguçu (SIMCA).

Para hoje, 12, além de Brasília, Canguçu, Sergipe e Rondônia, já se confirmam greves de fome, Dia de Fome, vigílias, atos e ações de denúncia da reforma da Previdência em SC, RS, SE, ES, RO, BA, PI, PE, e AL. Todos contra a reforma da Previdência que se aprovada irá forçar milhões de brasileiros a passarem fome.

Mensagem de solidariedade à greve de fome das companheiras e do companheiro do MPA

A greve de fome em Brasília iniciou no dia 5 de dezembro, anunciada durante Audiência Pública que debatia sobre o quanto a reforma da Previdência irá afetar os trabalhadores do campo. Na ocasião, também foi confirmada a informação que os rurais estão sim inclusos na reforma da Previdência, ao contrário do que o relator da reforma, Arthur Maia (PPS-BA), havia veiculado na semana anterior há audiência.

Durante a Coletiva de Imprensa realizada na tarde dessa segunda-feira, 11, o Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA) anunciou que a Greve de Fome não apenas segue, como será intensificada, até enterrarmos a reforma da Previdência, disse Charles Reginatto. Para o Movimento, a Greve de Fome significa que alguns passarão fome por alguns dias para evitar que muitos passem fome uma vida inteira.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

8º Dia de Greve de Fome: começam a aparecer os primeiros sinais de debilidade - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV