Antidepressivos na água do oceano é uma possível ameaça para a vida marinha, revela estudo

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • “A Terra é um presente para descobrir que somos amados. É preciso pedir perdão à Terra”, escreve o Papa Francisco

    LER MAIS
  • Piketty: a ‘reforma agrária’ do século XXI

    LER MAIS
  • Sínodo, o único sacerdote indígena: “Eu deixaria o sacerdócio se entendesse que o celibato não serve mais para mim”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

25 Outubro 2017

Os caranguejos da costa de Oregon exibem comportamentos de risco quando expostos ao antidepressivo Prozac, tornando mais fácil para os predadores pegá-los, de acordo com um novo estudo da Universidade Estadual de Portland (PSU).

A reportagem é de John Kirkland, publicada por Portland State University e reproduzida por EcoDebate, 24-10-2017. A tradução e a edição são de Henrique Cortez

O estudo, publicado na revista Ecology and Evolution, ilustra como as concentrações de produtos farmacêuticos encontrados no meio ambiente podem representar um risco para a sobrevivência animal.

Durante anos, testes de água do mar perto de áreas de habitação humana mostraram vestígios de tudo, desde a cafeína até medicamentos prescritos. Os produtos químicos são levados de lares ou instalações médicas, para o sistema de esgoto e eventualmente se dirigem para o oceano.

Em um laboratório, a equipe da PSU expôs os caranguejos da costa de Oregon aos traços de fluoxetina, o ingrediente ativo no Prozac. Eles descobriram que os caranguejos aumentaram seu comportamento de forrageamento, mostrando menos preocupação com os predadores do que normalmente. Eles até fizeram isso durante o dia, quando eles normalmente estariam escondidos.

Eles também lutaram mais com membros de suas próprias espécies, muitas vezes matando seu inimigo ou morrendo no processo.

“As mudanças que observamos em seus comportamentos podem significar que os caranguejos que vivem em portos e estuários contaminados com fluoxetina estão em maior risco de predação e mortalidade”, disse a pesquisadora Elise Granek, professora do departamento de Ciências e Gestão Ambiental da PSU.

Referência:

Peters JR, Granek EF, de Rivera CE, Rollins M. Prozac in the water: Chronic fluoxetine exposure and predation risk interact to shape behaviors in an estuarine crab. Ecol Evol. 2017;00:1–11. 

 Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Antidepressivos na água do oceano é uma possível ameaça para a vida marinha, revela estudo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV