Cuba se prepara para as primeiras eleições após morte de Fidel Castro

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco nomeia novo secretário: um padre que trabalha com crianças de rua e viciados em drogas

    LER MAIS
  • O crime da Vale em Brumadinho: metáfora de um sistema minerário predatório

    LER MAIS
  • O papa aprova como vice Decano o argentino Sandri que se calou sobre os crimes do padre Maciel, estuprador de 60 crianças

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: Lara Ely | 04 Outubro 2017

Após 60 anos de ditadura em Cuba, a família Castro deixará o poder. Ao sair do cargo de presidente em fevereiro de 2018, o atual presidente Raul permitirá aos cubanos que escolham quem irá governar a ilha comunista pela primeira vez desde a morte do seu irmão Fidel, em novembro do ano passado. Previsto para ocorrer em 22 de outubro, o pleito foi transferido para 26 de novembro devido aos impactos do furacão Irma. O segundo turno, marcado para 29 de outubro, ocorrerá em 3 de dezembro.

Durante este mês, são escolhidos os delegados para as assembleias municipais (câmaras de vereadores), o primeiro passo antes da designação de um novo presidente. O voto no país é secreto e exercido de maneira voluntária. Quem não o fizer não pode ser punido e os mandatos são revogáveis. Outra curiosidade é que os eleitos não receberão nenhuma remuneração pelo mandato e continuam a exercer suas profissões – sendo proveniente daí seu único salário. Este processo de indicação vale para cubanos maiores de 16 anos, incluindo militares.

Constituído pela Assembleia Nacional, as Assembleias Provinciais, as Assembleias Municipais, o Conselho Popular e a Circunscrição Eleitoral, que é o degrau básico de todo o sistema, o sistema do Poder Popular em Cuba não possui nenhum órgão subordinado a outro formalmente. 

O governo não permite a participação de outros partidos além do Partido Comunista e trabalhou para anular a eleição de candidatos oposicionistas sem sigla. Autoridades alegam que os dissidentes são pagos por governos estrangeiros e grupos exilados como parte de um plano para derrubar o sistema socialista da ilha e reinstalar o capitalismo e a dominância dos Estados Unidos, encerrados no país na revolução de 1959.

Em pronunciamento, Esteban Lazo Hernández, presidente da Assembleia Nacional, salientou que essa primeira etapa do processo eleitoral serve para “propor e nomear ali cubanos e cubanas patriotas, responsáveis, capazes e sensibilizados com os problemas das pessoas; os quais terão a missão de levar adiante o aperfeiçoamento do Poder Popular no caminho rumo ao futuro escolhido por nosso povo”.

Para o lugar de sucessor dos irmãos Castro, fala-se em Miguel Díaz-Canel, um engenheiro eletrônico que não usa uniforme militar e se declarou favorável a abertura da internet na ilha.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Cuba se prepara para as primeiras eleições após morte de Fidel Castro - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV