Rohingyas. Forte preocupação das Nações Unidas. Teme-se a limpeza étnica

Revista ihu on-line

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Mais Lidos

  • A CNBB urge o governo a tomar “medidas sérias para salvar uma região determinante no equilíbrio ecológico do planeta”

    LER MAIS
  • Planeta em chamas. Artigo de Eliane Brum

    LER MAIS
  • 10 mapas e imagens de satélite internacionais que mostram a dimensão das queimadas no Brasil

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

06 Setembro 2017

Mais de 123.000 refugiados da etnia muçulmana rohingya estão fugindo da violência em Mianmar e estão se refugiando na vizinha Bangladesh: a constatação é da ACNUR, o Alto Comissariado da ONU para os Refugiados, revendo para cima suas estimativas anteriores. Somente nessa segunda-feira, informa a ONU, foi registrado o maior número de refugiados que atravessaram a fronteira em um único dia, 37.000 pessoas. Os campos na fronteira entre os dois países asiáticos, criados na década de 1990, estão lotados e milhares são forçados a acampar onde e como podem no aguardo da travessia da fronteira.

A informação é publicada por L'Osservatore Romano, 06-09-2017. A tradução é de Luisa Rabolini.

A maioria dos rohingya em fuga é de mulheres, crianças e idosos, "Há muitas jovens que estão grávidas e recém-nascidos” destacou um porta-voz da ONU. Os Rohingyas são uma das minorias mais perseguidas no mundo, com milhares de pessoas que todos os anos abandonam suas casas em uma tentativa desesperada de chegar a Bangladesh e outros países vizinhos.

A última fuga em massa foi retomada após os confrontos sangrentos que aconteceram em 25 de agosto último, no estado de Rakhine, no noroeste de Mianmar, entre o exército e um movimento de insurreição em defesa dos Rohingyas. Confrontos que provocaram dezenas de vítimas entre os militares, aos quais o exército respondeu com uma ferocidade sem precedentes, atacando repetidamente os povoados dos rohingyas.

A ONU teme que a repressão militar em curso posse em breve se transformar em uma espécie de limpeza étnica, uma hipótese de que o governo de Mianmar nega firmemente.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Rohingyas. Forte preocupação das Nações Unidas. Teme-se a limpeza étnica - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV