Mais 37 mil fogem em 24h; ONU alerta para 'limpeza étnica' em Mianmar

Revista ihu on-line

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Mais Lidos

  • ''Há um plano para forçar Bergoglio a renunciar', denuncia Arturo Sosa

    LER MAIS
  • Deveríamos chamar os padres de ''padres''?

    LER MAIS
  • “Construímos cidades para que as pessoas invistam, não para que vivam”. Entrevista com David Harvey

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

06 Setembro 2017

Segundo a ONU, mais de 37 mil pessoas atravessaram a fronteira entre Mianmar e Bangladesh nas últimas 24h para fugir de uma operação militar birmanesa.

Desde o início dos confrontos entre os rohingyas e o Exército de Mianmar, em 25 de agosto, cerca de 125 mil pessoas fizeram a travessia.

A informação é publicada por Folha de S. Paulo, 06-09-2017.

A maioria daqueles que buscam refúgio em Bangladesh pertencem à minoria rohingya, de religião muçulmana. Com maioria budista, o Mianmar é marcado pela influência de monges radicais que denunciam os muçulmanos como uma ameaça.

Os rohingyas não têm direito a cidadania e são vistos por muitos em Mianmar como imigrantes ilegais da vizinha Bangladesh, apesar de reivindicarem raízes na região. Eles não têm acesso a hospitais, escolas e nem ao mercado de trabalho.

Os confrontos começaram com um ataque a várias delegacias em 25 de agosto por parte dos rebeldes do Exército de Salvação Rohingya de Arakan (ARSA, na sigla em inglês), que afirma defender os direitos da minoria muçulmana.

O Exército birmanês reagiu com uma grande operação no estado de Rakhine, uma região pobre e remota do país.

De acordo com dados oficiais de Mianmar, nos últimos dez dias 400 pessoas morreram, incluindo 370 "terroristas" rohingyas.

A atual onda de violência é considerada a mais grave registrada até o momento.

O fluxo de pessoas aumenta o temor de um desastre humanitário em Bangladesh, onde os saturados acampamentos de refugiados já abrigavam 400.000 rohingyas.

"As pessoas estão em campos de refugiados, nas estradas, nos pátios das escolas e a céu aberto. Estão limpando a floresta para criar novos refúgios. Água e comida começam a acabar", disse Nur Khan Liton, um ativista dos direitos humanos de Bangladesh.

Segundo um relatório do Escritório de Coordenação da ONU em Bangladesh, muitos dormem a céu aberto e precisam de água e alimentos após uma caminhada de vários dias.


Reação internacional

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, chamou as autoridades de Mianmar a darem fim à violência contra os rohingya, alertando para o risco de limpeza étnica e de desestabilização da região.

Ele também enviou aos 15 membros do Conselho de Segurança uma carta expressando sua preocupação de que a violência possa escalar para uma "catástrofe humanitária que poderia continuar a se expandir para além das fronteiras de Mianmar e afetar a paz e a segurança".

Na segunda-feira (4), manifestantes denunciaram a violência contra os rohingya diante da sede do Parlamento australiano, em Canberra. Na Indonésia, onde a maioria da população é muçulmana, os protestos ocorreram em frente à embaixada de Mianmar na capital Jacarta.

Críticas contra Aung San Suu Kyi, prêmio Nobel da Paz e líder de fato de Mianmar, aumentam. Ela é acusada de não se posicionar a respeito de uma minoria que vem se queixando de perseguição há tempos.

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, expressou nesta terça-feira (5) sua "profunda preocupação" em um telefonema. A Turquia, país de maioria muçulmana, recebeu a autorização para enviar 1.000 toneladas de ajuda humanitária para os rohingyas.

De acordo com um comunicado oficial, o primeiro pacote de ajuda terá arroz, peixe seco e roupas. Remédios e outros artigos serão enviados para a região em "intervalos regulares", informou o governo turco.

Erdogan tem buscado ocupar uma posição de liderança na comunidade muçulmana internacional. Na última sexta (1º), ele afirmou a Turquia tinha a responsabilidade moral de se posicionar sobre os acontecimentos em Mianmar.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Mais 37 mil fogem em 24h; ONU alerta para 'limpeza étnica' em Mianmar - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV