''A deslegitimação de Bergoglio não tem precedentes'', afirma Enzo Bianchi, monge italiano

Revista ihu on-line

China, nova potência mundial – Contradições e lógicas que vêm transformando o país

Edição: 528

Leia mais

Ore Ywy – A necessidade de construir uma outra relação com a nossa terra

Edição: 527

Leia mais

Sistema público e universal de saúde – Aos 30 anos, o desafio de combater o desmonte do SUS

Edição: 526

Leia mais

Mais Lidos

  • Enquanto pastores evangélicos apoiam Bolsonaro, cúpula católica lava as mãos. Artigo de Juan Arias

    LER MAIS
  • Quem pode nos livrar de Bolsonaro. Artigo de Antonio Martins

    LER MAIS
  • PT deveria realizar 'comissão da verdade' para examinar seus erros, diz Noam Chomsky

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

26 Agosto 2017

“O Papa Francisco abriu um clima de maior liberdade na Igreja. Aplacaram-se alguns medos, diversas inibições, aquele mesmo clima que Paulo VI tinha pedido e desejado.” A convicção é de Enzo Bianchi, fundador da comunidade monástica de Bose, que falou nessa quinta-feira, 24, no 75º curso de estudos cristãos promovido pela Pro Civitate Christiana, em Assis, sobre o tema “Demos futuro à virada profética de Francisco”.

A reportagem é do Servizio Informazione Religiosa (SIR), 25-08-2017. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Sobre as críticas ao Papa Bergoglio, Bianchi admitiu: “Existem alguns grupos na Igreja que não se limitam a uma crítica respeitosa, mas mantêm uma atitude de contraposição e de contestação não ao papa, mas à pessoa de Bergoglio, que destrói a comunhão e a própria Igreja. Essa deslegitimação não tem precedentes na história da Igreja dos últimos séculos”.

“O Papa Francisco tem um estilo capaz de mudar a simbologia do papado – observou Bianchi – e quer iniciar o processo de reforma, como ele mesmo admitiu. Ele é capaz de se humilhar pela unidade da Igreja e irá aonde os outros lhe pedirem.”

De acordo com o ex-prior de Bose, “deve-se notar o esforço do Papa Francisco de levar a cumprimento o Concílio Vaticano II e a vontade de instaurar uma cultura do diálogo, um exercício da escuta e abrir a uma conversa que leve ao debate e que não busque humilhar e deslegitimar o adversário. O Papa Francisco manifesta uma urgência nunca sentida: incluir homens e mulheres, e não excluir ninguém dos caminhos da Igreja”.

Para o fundador de Bose, “o que o Papa Francisco nos pede é um caminho de conversão. Mas nós somos capazes de realizar essa conversão?”.

Por fim, Enzo Bianchi ousou uma previsão: “Se o Papa Francisco buscar os caminhos do Evangelho, encontrará a rejeição das forças anticristãs prontas para combatê-lo”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

''A deslegitimação de Bergoglio não tem precedentes'', afirma Enzo Bianchi, monge italiano - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV