A Via-sacra do fenômeno migratório no Santuário de Loyola

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco propõe um sistema econômico mais justo e sustentável

    LER MAIS
  • Em busca da funda de Davi. Uma análise estratégica da conjuntura

    LER MAIS
  • Por que Tagle é o novo “herói papal” do Oriente

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

01 Agosto 2017

O pomar do Santuário de Loyola é o cenário de uma nova via-sacra composta por imagens de grande porte, qualidade e profundidade do fenômeno migratório, citações bíblicas que convidam à oração e textos que informam e levam à reflexão e ao compromisso. Trata-se de uma iniciativa do Santuário de Loyola em colaboração com a Ong jesuíta Alboan.

A reportagem é publicada por Religión Digital, 30-07-2017. A tradução é de André Langer.

Um código QR permite, através do telefone celular, fazer uma viagem espiritual com a via-sacra ou fazer um percurso mais centrado na dimensão social desta realidade.

Primeira estação: pessoas deslocadas pela guerra em Masisi, a leste da República Democrática do Congo. A imagem nos recorda que as migrações fazem parte da história da humanidade e que todas as pessoas são descendentes de migrantes.

Segunda estação: pessoas refugiadas pela guerra na Síria na sua passagem pela Hungria rumo à Alemanha. Elas são o reflexo dos mais de um bilhão de pessoas que se viram forçadas a deixar a sua terra natal nas últimas décadas.

Décima primeira estação: mulher burundesa deslocada, no campo de refugiados internos de Kiyange, Burundi. Ela, com seu alegre vestido colorido, representa o perigo do trânsito migratório para as mulheres.

Às 14 estações tradicionais foi acrescentada uma última. Ela representa a Ressurreição. A imagem mostra uma manifestação em Barcelona a favor da acolhida de pessoas refugiadas. A citação bíblica, tomada de Mateus 25, recorda: “...tive fome e me destes de comer (...), era migrante e me acolhestes”.

O projeto é completado com 15 pequenas imagens situadas no ângulo inferior esquerdo. Elas mostram a via-sacra feita pelo jesuíta camaronês Engelbert Mveng (1930-1995). A obra original, que se encontra no teologado de Nairobi, foi fotografada pelo estudante Benedict Mayaki para este projeto de Loyola, em que se unem espiritualidade, justiça, arte e natureza.

Do mesmo modo, e desde o dia 21 de julho, o Santuário de Loyola, em Azpeitia, acolhe a exposição Um lugar no mundo, para nos aproximarmos de um dos maiores dramas humanitários de nosso tempo e nos animar para colaborar com as organizações que trabalham em nosso entorno mais próximo a favor dos migrantes.

Anualmente, milhões de pessoas se veem forçadas a abandonar suas casas por causa de guerras, perseguições políticas, desastres naturais, degradação ecológica, falta de meios para ganhar a vida ou outras situações que colocam em risco sua vida ou sua liberdade.

No percurso que compreende a saída de seu lugar de origem, o trânsito e a chegada a um destino mais seguro, as pessoas sofrem diferentes formas de violência e uma constante violação dos seus direitos.

A exposição foi instalada no parque do santuário com caráter permanente, e consta de 15 painéis de ferro galvanizado com fotografias de 1,5 m x 1 m impressas em dibond (alumínio). Os painéis dispõem de ponto de luz led que possibilita que as imagens sejam vistas durante a noite.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A Via-sacra do fenômeno migratório no Santuário de Loyola - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV