Reino Unido. Dois candidatos do passado para um futuro pobre, irrelevante e obscuro

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “A pandemia demonstrou as consequências de 40 anos de neoliberalismo”, avalia Joseph Stiglitz

    LER MAIS
  • O ataque ao Capitólio e a tentativa de golpe contra o Papa Francisco. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • Carta ao Povo Brasileiro: por vacina para todos, retorno do auxílio emergencial, mais recursos para o SUS e Fora Bolsonaro

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


09 Junho 2017

Tão antigas as democracias, tão admirável o progresso científico, tão dominante sua língua, mas hoje Reino Unido e Estados Unidos estão fazendo papel de ridículo diante do mundo. Para Donald Trump já não sobram adjetivos; a realidade absurda supera qualquer possibilidade de paródia. O espetáculo político que os britânicos estão apresentando talvez não seja tão grotesco, mas é quase que igualmente confuso. Os anglo-saxões deixaram de ser – se é que alguma vez foram – um exemplo democrático para o mundo.

O comentário é de John Carlin, publicado por El País, 08-06-2017.

Tanto o trabalhista Jeremy Corbyn como a conservadora Theresa May são os principais candidatos nas eleições britânicas desta quinta-feira. Para mim, parece impossível votar em qualquer um dos dois.

Ambos estão ancorados no passado: Corbyn no dos sonhos revolucionários cubanos, sandinistas, chavistas; May em uma imaginária era dourada imperial na qual as classes sociais sabiam qual era seu lugar no mundo, os ricos comiam sanduíches de pepino, os pobres, tortas de carne e rim, e os europeus não tinham contaminado a velha Albion com suas Spanish tapas, vinhos de Rioja, panetone, prosecco e outras influências culturais nocivas.

Sem querer, May se apresenta como uma rígida diretora escolar; Corbyn, como um desligado professor de geografia. Mas no fundo May teme as crianças sob seu comando, ou seja, seu eleitorado. E Corbyn não tem a menor ideia de como impor ordem na sala de aula nem possui qualquer tática para ajudar seus alunos a serem aprovados nos exames.

Ambos prometem, claro, prosperidade e igualdade: May à base de cortes, Corbyn, com mais gastos públicos. Poucos acreditam neles. Em parte porque não convencem como líderes, mas principalmente porque nenhum dos dois ofereceu alguma ideia concreta de como pretendem tirar o país da confusão colossal em que se meteu com o voto a favor do Brexit no referendo do ano passado.

Não faz sentido falarem do que vão fazer com as aposentadorias ou com a saúde pública quando não oferecem nenhum plano que mostre com que diabos o Reino Unido vai sair da União Europeia sem que a economia desabe. Se não há dinheiro nos cofres públicos, qualquer conversa sobre a futura prosperidade ou igualdade é pura fumaça.

A banalidade da campanha eleitoral britânica é fruto das deficiências de May e Corbyn, mas, para ser minimamente justo com eles, a decisão de seus compatriotas de sair da União Europeia colocou os dois em uma situação impossível. Repetem os mantras eleitorais habituais, tentam projetar otimismo, mas os dois sabem – May com mais clareza, porque possui mais informações – que há pouco a ser feito. O futuro do Reino Unido fora da Europa é pobre, irrelevante e obscuro.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Reino Unido. Dois candidatos do passado para um futuro pobre, irrelevante e obscuro - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV