A vida religiosa e a metáfora da família

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Francisco para os pais e mães de homossexuais: “A Igreja ama os vossos filhos do jeito que eles são, porque são filhos de Deus”

    LER MAIS
  • O fenômeno dos padres fisiculturistas e estrelas das redes sociais

    LER MAIS
  • “O Papa me disse: Deus ama os filhos homossexuais como eles são”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


06 Mai 2017

"Quando utilizamos a metáfora família para falar da VRC, devemos ter em consideração todos esses fatores. Estão em jogo a mesma liberdade enganosa e traiçoeira, como também os mesmos “valores e contravalores” modernos. Se uma e outros seduzem e fascinam os jovens no interior das famílias, também os fascinam e seduzem no interior de nossas casas religiosas" escreve Alfredo J. Gonçalves, cs, padre carlista, assessor das Pastorais Sociais.

Eis o artigo.

Tornou-se normal tomar a família como metáfora para referir-se às diversas formas de pertença à Vida Religiosa Consagrada (VRC). Desse modo, cada Instituto – ou grupo de Institutos ligados ao mesmo carisma e espiritualidade – passa a ser naturalmente chamado “minha família religiosa”. Disso resulta que a Congregação converte-se em uma espécia de segunda família.

Nada mais óbvio, de resto! Mas é necessário assumir todas as implicações e consequências de semelhante comparação. Bem sabemos que olhar para dentro de determinada família – cada um pode pensar na sua, por exemplo – não é contemplar um mar de rosas ou um paraíso. Ao contrário, se é verdade que o terreno familiar é capaz de produzir o que há de melhor nas relações humanas, também é certo que pode ocultar o que há de pior. Nesta perspectiva, o trigo e o joio costumam não só crescer juntos, mas também habitar dentro do mesmo teto. Basta verificar as tensões e conflitos que dilaceram tantas famílias, chegado às vezes a verdadeiras tragédias.

Aí reside a grande ilusão. Quando associamos nosso Instituto religioso a uma família, o fazemos não raro em termos ideais. Tomamos em consideração todos os amores, cores e flores que nascem e crescem no ambiente familiar, sem a devida atenção às pedras e espinhos que ali se escondem. Avaliamos as famílias a partir de fora, como espectadores, esquecendo o lixo que cada uma acumula no porão da própria casa ou debaixo do tapete, longe da curiosidade alheia e do olhar indiscreto das visitas. Aferramo-nos com relativa frequência ao conceito de lar, refúgio, aconchego, calor humano...

Em outras palavras, tendemos a concentrar-nos sobre as qualidades positivas da família ideal. Vistas mais de perto, porém, damo-nos conta que tais qualidades convivem diariamente com olhares pesados e oblíquos, com palavras que mais parecem navalhas afiadas e com silêncios carregados e constrangedores. Muitas vezes, sob o mesmo teto, destila-se um veneno surdo e mudo, respira-se um ar denso e insuportável. Querendo ou não, cedo ou tarde, acabamos por tropeçar com o lado negativo da convivência familiar. O contato diário não raro desgasta e corrompe a relação mais bem intencionada.

E não é só isso. Na ambígua tragetória dos tempos modernos ou pósmodernos, passamos da família hierárquica, autoritária e normativa à família onde, prentensamente, devem predominar o diálogo e a democracia. Mas as últimas duas palavras, uma vez mais, podem facilmente iludir-nos. De fato, diálogo e democracia, se e quando mal entendidos, conduzem-nos a becos sem saída. O primeiro deles é confundir esses termos com “fazer o que se quer” e não “fazer o que constrói”. O segundo é acostumar-se a um ruído contínuo, onde todos falam e ninguém se mostra capaz de escutar. Ou ainda, em terceiro lugar, criar um ambiente em que predomina o monólogo arrogante de quem traz mais dinheiro para casa. Nos três casos, o diálogo e a democracia encontram-se definitivamente mortos e sepultados. Uma fragmentaçao e desintegraçao difusa tomam o lugar dos laços positivos herdados de pai para filho.

Além disso, no mesmo processo de consolidação da mentalidade moderna, assistimos à passagem de um mundo predominantemente rural para um universo predominantemente urbano. Passagem onde a família patriarcal e conservadora é substituída pela família modernizada, aberta às novas ideias transmitidas à exaustão pela mídia. Uma avalanche que faz submergir toda e qualquer ideia de patrimônio cultural e familiar. Também aqui, ao mesmo tempo que recusam grade parte dos valores e contravalores tradicionais, as novas famílias passam a integrar costumes, valores e contravalores cosmopolitas.

A conclusão é que, quando utilizamos a metáfora família para falar da VRC, devemos ter em consideração todos esses fatores. Estão em jogo a mesma liberdade enganosa e traiçoeira, como também os mesmos “valores e contravalores” modernos. Se uma e outros seduzem e fascinam os jovens no interior das famílias, também os fascinam e seduzem no interior de nossas casas religiosas. Isso vale tanto para as etapas formativas quanto para as comunidades adultas e envolvidas na missão. Numa palavra, as metáforas costumam figurar como instrumentos valiosos, sem dúvida, mas jamais serão neutras.

Roma, 27 de abril de 2017

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A vida religiosa e a metáfora da família - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV