O papel da esquerda quando o Rei está nu

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Está chegando o cato-fascismo

    LER MAIS
  • O encontro com Esther Duflo, Prêmio Nobel de Economia

    LER MAIS
  • Sigilo em torno do Sínodo da Amazônia mostra tensão entre transparência e discernimento

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

24 Abril 2017

“O papel de uma esquerda transformadora deveria ser o de aproveitar a Lava-Jato para renovar a si e a suas práticas, e defender a reestruturação do sistema político”, afirma Vladimir Palmeira, ex-deputado constituinte e professor da FACHA, em artigo publicado por O Globo, 21-04-2017.

Eis o artigo.

A divulgação das delações dos executivos da Odebrecht revelou o que já estava latente: o sistema político brasileiro está podre. Um dos delatores foi direto: “Não há quem tenha sido eleito sem caixa 2.” Mesmo quem não pegou diretamente, recebeu via partido.

Segundo as delações, Temer foi anfitrião e participou da reunião, junto a Cunha, dos acertos para o PMDB. Um terço de seus ministros será investigado agora pelo STF. Lula contrariou interesses da Petrobras (aquela que no slogan petista é defendida para defender o Brasil) para favorecer o Grupo Odebrecht no setor petroquímico. Aécio, Alckmin e Serra, do PSDB que dizia que era tudo obra do PT, estão também encalacrados. Até ao Fernando Henrique a coisa chegou. Um terço do Senado e um quinto da Câmara também estão na lista, que engordará se Cunha resolver abrir o bico.

Desse emaranhado, surgem dois discursos para tentar amenizar os fatos: 1) “Se todos faziam, não há de se crucificar ninguém. Fazia parte do jogo, e só podia entrar nele quem topasse as regras.” 2) “As delações são fruto de abusos do Poder Judiciário. Não podem servir de prova para nada.”

Ora, o fato de a corrupção ser generalizada não significa que seja menos grave. Pelo contrário. Em troca das doações, a Odebrecht e demais empresas envolvidas nos esquemas foram agraciadas com projetos de lei, medidas provisórias e tráfico de influência, em uma engrenagem de privatização da coisa pública e deturpação da vontade popular expressa nas urnas que envolve todos os partidos em alguma instância de poder. Sobre os abusos de juízes e promotores, é fato que eles existem e devem ser denunciados. Assim como não se pode negar que há uma instrumentalização das investigações por parte da grande mídia para perseguir mais a uns (Lula e PT à frente) do que a outros. Mas isso não invalida os fatos concretos que estão sendo delatados, e que são o centro da constatação de que o sistema político brasileiro apodreceu completamente. Ou alguém minimamente informado duvida da verossimilhança dos fatos narrados?

Em vez de se abrigar sob o manto do “todos fizeram” ou do “isso tudo é fruto de abuso dos juízes e perseguição da grande mídia”, como faz hoje o PT, assumindo uma postura conservadora que, no limite, apregoa que fique tudo como está (e que se materializa no noticiado acordão entre os ex-presidentes e o atual), o papel de uma esquerda transformadora deveria ser o de aproveitar a oportunidade gerada pela Lava-Jato, que expôs para todos que o rei está nu, para renovar a si e a suas práticas, e defender a completa reestruturação do sistema político brasileiro, no bojo da discussão de um projeto de país para o Brasil do século XXI.

O primeiro passo dessa caminhada? A cassação do atual mandato presidencial pelo TSE e a imediata convocação de eleições diretas para a sucessão de Michel Temer. Pois este Congresso que aí está, por todos os fatos revelados, não tem a menor legitimidade para eleger o sucessor do presidente cassado.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O papel da esquerda quando o Rei está nu - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV