Hospitalidade eucarística: meta do diálogo luterano-católico

Revista ihu on-line

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Mais Lidos

  • ''Há um plano para forçar Bergoglio a renunciar', denuncia Arturo Sosa

    LER MAIS
  • Deveríamos chamar os padres de ''padres''?

    LER MAIS
  • “Construímos cidades para que as pessoas invistam, não para que vivam”. Entrevista com David Harvey

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

06 Abril 2017

O presidente do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos, cardeal Kurt Koch, e o presidente do Conselho da Igreja Evangélica Alemã, Heinrich Bedford-Strohm, reforçaram a sua intenção de trabalhar por uma celebração eucarística comum.

A reportagem é do sítio Domradio.de, 04-04-2017. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

“Não pode haver nenhuma outra meta senão ir ao mesmo altar”, disse Koch em Ulm, em um encontro ecumênico. De acordo com Bedford-Strohm, essa confluência não é difícil, já que o próprio Cristo convida para a sua ceia e está presente na celebração.

Koch é a favor da elaboração de uma declaração comum sobre Igreja, eucaristia e ministério, um pouco como a Declaração Conjunta sobre a Justificação, que tinha sido assinada em 1999, em Augsburgo, pelo Vaticano e pela Federação Luterana Mundial. No entanto, sobre a questão da celebração comum da ceia do Senhor, não se deve ter pressa. É mais importante que haja uma sólida base teológica.

Bedford-Strohm se manifestou a favor de uma celebração comum não apenas no fim de um processo ecumênico. Se ela fosse celebrada antes, isso poderia dar força ao próprio processo.

De acordo com o presidente do Conselho Evangélico, as tradições das Igrejas e as reflexões teológicas são levadas adiante ad absurdum se forem esquecidas as necessidades das pessoas, por exemplo, nos casamentos mistos em que os cônjuges não são permitidos a participar juntos da comunhão.

Bedford-Strohm vê entre os problemas o fato de a Igreja Católica rejeitar a ordenação de mulheres. Ele é “extremamente grato” pela ordenação das mulheres e não consegue imaginar uma Igreja sem mulheres-pároco. Koch também considera esse um tema que separa. Para a Igreja Evangélica, não pode haver um passo atrás, e, para a Igreja Católica, não pode haver nenhum passo precipitado.

De acordo com Koch, na Cúria Romana, não há oposição contra o Papa Francisco e a sua linha, mas sim opiniões diferentes. Muitas das coisas introduzidas por Francisco não podem mais ser anuladas. O cardeal criticou o modo de retratar a situação em “preto e branco”, contrapondo um Francisco apresentado como progressista e os seus antecessores como conservadores. Em vez disso, o papa atual muitas vezes repete que ele se move em continuidade com Bento XVI e João Paulo II.

Quem organizou o encontro foi a associação ecumênica “Unidade dos Cristãos”. O moderador do colóquio foi o diretor-chefe da Südwestpresse de Ulm, Ulrich Becker.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Hospitalidade eucarística: meta do diálogo luterano-católico - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV