Equador. Oposição contesta vitória de Lenin Moreno

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Bartomeu Melià: jesuíta e antropólogo evangelizado pelos guarani (1932-2019)

    LER MAIS
  • Do samba ao funk, o Brasil que reprime manifestações culturais de origem negra e periférica

    LER MAIS
  • ASA 20 Anos: Água potável é vida e bênção para a infância do Semiárido

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: João Flores da Cunha | 04 Abril 2017

O candidato governista à presidência do Equador, Lenin Moreno, venceu o segundo turno da eleição no país, realizado no dia 2-4. Com 99,08% dos votos apurados, ele detinha 51,16% da preferência popular, contra 48,84% do candidato da oposição, Guillermo Lasso. Este contestou o resultado, acusando o futuro governo de Moreno de “ilegítimo”, e pediu uma recontagem dos votos.

Moreno foi recebido pelo presidente Rafael Correa no Palácio de Carondelet, a sede oficial do governo, em Quito, no dia 3-4. Ele tomará posse no dia 24-5, e deve cumprir mandato até 2021. Moreno promete ser “o presidente de todos” os equatorianos.

No Twitter, Correa tratou o resultado da eleição como uma “grande notícia para a Pátria Grande” latino-americana, com um novo triunfo da “revolução” no Equador – a forma como ele e seus partidários tratam as mudanças ocorridas no país em seus dez anos de governo. O projeto presidencial da Aliança País, partido de Correa e Moreno, esteve, porém, perto de chegar ao fim neste domingo. A proximidade do resultado revela o desgaste da população após uma década do correísmo no poder.

Os resultados de pesquisas de boca-de-urna, divulgados após o fechamento das seções eleitorais, foram inconclusivos, com parte dos institutos apontando para a vitória de Lasso e parte sinalizando o triunfo de Moreno.

A percepção de que a vitória poderia chegar contribuiu para a indignação dos oposicionistas com sua derrota. Lasso chegou a dar entrevistas como presidente eleito após a divulgação das sondagens de boca-de-urna que o mostravam à frente de Moreno.

O candidato oposicionista não aceitou a vitória do rival e afirmou que houve fraude na contagem de votos. Ele disse que irá pedir uma auditoria do resultado.

“Advirto ao mundo que se pretende instaurar um governo ilegítimo no Equador”, afirmou, por meio do Twitter. Também disse “não pod[er] aceitar um resultado produto da violência de todas essas irregularidades”. Ele afirmou, porém, que se na recontagem Moreno ganhar “por um voto”, irá reconhecer o resultado.

Observadores internacionais não identificaram problemas no processo eleitoral. A delegação da Organização dos Estados Americanos – OEA recebeu Lasso no dia 3-4 para registrar suas reclamações.

Em entrevista ao IHU, a socióloga e pesquisadora Elaine Santos afirmou que “o país está dividido, descontente, bem como toda a América Latina”. Ela nota que os “governos denominados à esquerda que assumiram na América Latina perderam completamente o contato com a realidade da população, o diálogo com os movimentos sociais”, e que há um “sentimento generalizado de insatisfação” que “possibilita o ressurgimento de figuras conservadoras que encontram, nesse desagrado diluído, um mecanismo de canalizar forças para a direita”.

O Equador se soma a uma tendência na América do Sul em anos recentes, a de resultados muito próximos em segundos turnos de eleições presidenciais. No Peru, em 2016, o atual presidente, Pedro Pablo Kuczynski, venceu com 50,12% dos votos, contra 49,88% de Keiko Fujimori, filha do ex-ditador Alberto Fujimori.

Na Argentina, em 2015, Mauricio Macri foi eleito presidente com 51,34% dos votos, contra 48,66% do kirchnerista Daniel Scioli. No ano anterior, Dilma Rousseff havia sido eleita presidenta do Brasil com 51,64% dos votos, contra 48,36% de Aécio Neves.

Na Venezuela não há segundo turno, mas a polarização política extrema do país faz com que as disputas eleitorais ocorram efetivamente entre apenas dois candidatos. Em 2013, após a morte do então presidente Hugo Chávez, foi convocada uma eleição em que resultou vencedor Nicolás Maduro, com 50,61% dos votos, à frente do oposicionista Henrique Capriles, que teve 49,12%.

Também não é novidade o derrotado contestar o resultado. Derrotado na Venezuela, Capriles pediu uma auditoria para recontagem dos votos, que confirmou a vitória de Maduro. Ele também solicitou a impugnação da eleição à Comissão Interamericana de Direitos Humanos – CIDH.

No caso do Brasil, o PSDB, partido de Aécio Neves, pediu uma auditoria na contagem dos votos e entrou com um pedido de cassação da chapa vencedora no Tribunal Superior Eleitoral – TSE. Hoje, esse processo ameaça a sobrevivência do governo do vice-presidente eleito, Michel Temer – do qual o PSDB é aliado.

Leia mais:

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Equador. Oposição contesta vitória de Lenin Moreno - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV