Equador escolhe novo presidente neste domingo

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • O que muda (para pior) no financiamento do SUS

    LER MAIS
  • Ou isto, ou aquilo

    LER MAIS
  • Desmatamento na Amazônia aumenta 212% em outubro deste ano, aponta Imazon

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: João Flores da Cunha | 01 Abril 2017

A população do Equador irá às urnas neste domingo (2-4) para eleger o seu novo presidente. O segundo turno da eleição será disputado pelos candidatos Lenin Moreno, da Alianza PAÍS (governista, de esquerda), e Guillermo Lasso, do movimento Criando Oportunidades – CREO (oposicionista, de direita).

Moreno ficou em primeiro lugar no primeiro turno, com 39,36% dos votos. Lasso teve 28,09%. Candidato oficialista, Moreno busca seguir os passos do atual presidente, Rafael Correa. Ele enfatiza querer governar para todos os equatorianos.

Lasso busca polarizar a eleição entre a continuidade e a mudança – e se apresenta como o candidato da mudança. Ex-banqueiro, ele tem sido o principal nome do conservadorismo nacionalmente nos últimos anos. Na eleição mais recente, em 2013, ficou em segundo lugar, atrás de Rafael Correa.

A última pesquisa divulgada pela empresa Cedatos, em 21-3, apontou leve vantagem para Moreno, com 45,7% de intenções de voto, contra 41,5% de Lasso. A comparação com as sondagens anteriores da Cedatos mostra uma tendência de queda de Lasso, que chegou a aparecer na frente de Moreno.

A margem de erro de 3,4%, porém, faz do resultado um empate técnico. Como as regras eleitorais do país impedem a publicação de sondagens nos dias anteriores à votação, eventuais movimentos de última hora não são captados pelos institutos de pesquisa. Na última pesquisa da Cedatos, 16% dos equatorianos afirmavam ainda não ter decidido por um dos dois candidatos.

A campanha foi encerrada oficialmente no dia 30-3. Moreno realizou um evento em Quito, e Lasso um ato em Guayaquil, reduto eleitoral dos opositores do correísmo.

Não houve debate após o primeiro turno por conta de desavenças entre os candidatos sobre as regras do encontro. Mesmo assim, a campanha foi acirrada.

Ao contrário do primeiro turno, em que adotou postura discreta, Rafael Correa tomou a frente da campanha oficialista. Ele buscou associar Lasso ao feriado bancário de 1999, uma medida tomada quando este era ministro da Fazenda e que sequestrou os depósitos de correntistas. Também acusou o candidato de ter vínculos com empresas offshore.

A campanha teve episódios polêmicos. No dia 28-3, Lasso denunciou ter sido agredido por simpatizantes do governo ao sair do estádio olímpico de Quito, após a disputa de uma partida da seleção nacional de futebol. Moreno afirmou que “nenhuma expressão de intolerância é aceitável”, e repudiou o acontecido.

No plano internacional, o Equador pode alterar sua política externa, caso Lasso vença. Ele pretende aproximar o país da Aliança do Pacífico, e retirá-lo da Aliança Bolivariana para os Povos de Nossa América – Alba. O candidato afirmou no dia 30-03 que a vitória de Moreno colocaria o Equador no mesmo rumo da Venezuela.

Ele aludia à decisão do Supremo Tribunal de Justiça desse país de retirar a função legislativa da Assembleia Nacional e atribuí-la ao próprio tribunal. A corte tem ministros ligados ao presidente Nicolás Maduro, enquanto o parlamento conta com maioria de deputados contrários ao governo.

A manobra, que ocorreu no dia 30-03, foi denunciada como um “autogolpe de Estado” pelo secretário da Organização dos Estados Americanos – OEA, Luis Almagro. Outros países da região, entre eles o Brasil, também condenaram o ato da corte, que motivou protestos nas ruas de Caracas, capital venezuelana, no dia 31-03.

Independentemente do resultado do pleito deste domingo, o cenário revelado pela campanha eleitoral é o de um país dividido, em que boa parte da população se mostrou descontente com os rumos do correísmo após o desgaste de dez anos no poder. Mesmo entidades indígenas manifestaram rejeição ao governo de Rafael Correa.

Correa já disse que, se seu candidato vencer, ele irá para a Bélgica, onde vive sua esposa, natural desse país europeu. Se não, continuará envolvido na política equatoriana.

Uma derrota de Moreno pode consolidar uma nova tendência na região, a de substituição dos governos de esquerda, ou progressistas, por políticos ligados à direita. Os dois maiores países da América do SulArgentina e Brasil – passaram por esses processos recentemente, com a eleição de Mauricio Macri no fim de 2015 e a posse de Michel Temer, em agosto de 2016.

O presidente eleito neste domingo tomará posse no dia 24-5, e deverá cumprir mandato por quatro anos, até 2021. Mais de 12,8 milhões de equatorianos estão habilitados a votar.

Leia mais:

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Equador escolhe novo presidente neste domingo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV