#MeuCrimeÉLutar

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Byung-Chul Han: smartphone e o “inferno dos iguais”

    LER MAIS
  • Os 13 tweets do Papa no dia do IV Encontro Mundial de Movimentos Populares

    LER MAIS
  • Só um radical ecossocialismo democrático pode mudar o horizonte

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


23 Março 2017

A campanha ‘Meu crime é lutar’ quer denunciar o processo de criminalização que defensores e defensoras de direitos humanos vêm sofrendo, no país. Exemplo emblemático disso é a situação enfrentada por quatro integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), que estão presos desde novembro do ano passado, no Paraná.

A reportagem é publicada por Comissão Pastoral da Terra - CPT, 22-03-2017.

Fabiana, Claudelei, Claudir e Antônio são acusados e acusadas pelo crime de organização criminosa. As prisões fazem parte da Operação Castra, comandada pela Polícia Civil do Paraná. Outra ação da operação resultou na invasão da Escola Nacional Florestan Fernandes, sem mandato judicial, também em novembro.

A acusação dessas pessoas só revela a tentativa de criminalizar a luta e a organização popular. Por isso, convidamos você a contribuir na defesa da luta de defensores e defensoras de direitos humanos.

Participe da campanha “Meu crime é lutar”. A ação é uma iniciativa do Comitê Brasileiro de Defensoras e Defensores de Direitos Humanos, com o apoio de diversas organizações nacionais e internacionais.

Como participar:

1 – Assine aqui o manifesto em apoio à libertação dos presos e presas políticas do MST

2 – Altere sua foto de perfil: em sua foto de perfil, insira o tema da campanha Meu Crime é Lutar através das opções disponíveis no site

3 – Demonstre seu apoio através de fotos. Utilize a hashtag #MeuCrimeÉLutar e as placas de apoio que podem ser baixadas aqui

4 – Envie uma mensagem de apoio para os presos e presas políticos: no site, é possível enviar uma mensagem de apoio e solidariedade para os quatro integrantes do MST que estão presos no Paraná. As mensagens serão enviadas para um e-mail da campanha, impressas e entregues para os destinatários.

5 – Curta e compartilhe os materiais da campanha nas redes sociais, utilizando as hashtags #MeuCrimeÉLutar e #LutarÉumDireito. Acompanhe o site, a página do Facebook e o Twitter da campanha

Acompanhe mais informações:

Acesse o site aqui
Facebook: facebook.com/meucrimeelutar
Twitter: @meucrime

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

#MeuCrimeÉLutar - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV