“Sair do armário” para proclamar o Evangelho de Jesus

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • Às leitoras e aos leitores

    LER MAIS
  • No Sínodo, é fundamental "a denúncia concreta do que acontece em nosso território". Entrevista com Dom José Luiz Azuaje

    LER MAIS
  • Os jovens ativistas frente à crise ecológica do século 21

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

21 Março 2017

Para a Quarta-feira de Cinzas e para os domingos da Quaresma, o blog Bondings 2.0 está apresentando reflexões espirituais a partir de um grupo diversificado de alunos/as da Graduate Theological Union, em Berkeley, na Califórnia, que ou se identificam como LGBTQ+ ou estão envolvidos/as com a pesquisa e/ou ministério LGBTQ+.

O comentário é de John Michael Reyes, mestre em teologia pela Jesuit School of Theology, ligada à Santa Clara University. A sua formação espiritual e atividade comunitária acontecem na Franciscan School of Theology (em Berkeley), publicado por Bondings 2.0, 19-03-2017. A tradução é de Isaque Gomes Correa.

Reyes serviu como capelão hospitalar, liturgista e atualmente trabalha na pastoral universitária da Santa Clara University com foco na formação sacramental e liturgia. É membro da Paróquia Most Holy Redeemer, em San Francisco, sua cidade natal.

Reyes é o coordenador do VIII Simpósio Nacional do New Ways Ministry, cujo lema é “Justiça e Misericórdia devem se beijar: Católicos LGBTs na era do Papa Francisco”, a ocorrer entre os dias 28 e 30 de 2017, em Chicago.

Eis o comentário.

Você já esteve envergonhada a ponto de ficar paralisada?

Em meus 29 anos de vida, fui envergonhada muitas vezes por causa do meu comportamento, o que resultou em querer me esconder. Tomei decisões equivocadas que impactaram a opinião de pessoas que valorizo. A minha infância não foi divertida: lidei com desafios que iam desde o abuso sexual até as repercussões de não realizar o sonho dos pais, ou seja, me tornar médico ou advogado.

Mais tarde, um ambiente pouco saudável me levou ao isolamento e à depressão. Uma tentativa de suicídio abalou-me em alguns momentos da vida. Ficava envergonhada ao me apresentar em eventos. Eu me escondia até todo mundo sair para eu poder fazer as coisas que precisava: comer, lavar roupas, entre outras tarefas do dia a dia.

O Evangelho de hoje – a Mulher Samaritana no poço com Jesus  (João 4, 1-42)– me fez lembrar desta época da minha vida. Antes de tudo, você já notou que a história é recheada de detalhes da mulher, no entanto sequer sabemos o seu nome? Esse anonimato permite que ela represente a todos nós; eu me sinto como a Mulher Samaritana. Ela se escondia para que ninguém a notasse – suas feridas, sua fraqueza, sua humanidade. Da mesma forma como a mulher no poço com muitos maridos, eu fui feito vítima destes “maridos”: isolamento e depressão, ao invés de buscar aquele único amor, o único marido, que poderia me libertar: Jesus.

Apesar de tentar se esconder dos outros, a mulher foi percebida por alguém: Jesus. A história dela foi reconhecida e ela foi vista por quem ela era; ela pôde “sair do armário”. Essa história destaca o desejo de Jesus de se aproximar de nós e nos permitir permanecer próximos de Seu coração.

Ela destaca uma resposta à Sua ação que todos poderíamos dar: “Eu creio, de todo o meu coração, que o senhor, Jesus, é o caminho, a verdade e a vida”.

Quando trabalho com as pessoas em preparação para o Rito da Iniciação Cristã de Adultos, sempre digo que se juntar à Igreja não é apenas um processo de “tornar-se católico”, e sim de “sair do armário” e dividir com as demais pessoas o fato de que estamos nesta caminhada de fé em direção a Jesus – que há algo n’Ele que nos cativa, algo que o torna irresistível para segui-lo sempre mais de perto.

O Evangelho de hoje não fala exatamente de uma mulher que crê em Cristo, mas da mulher que cumpre o papel de ajudar Jesus a proclamar o Evangelho. Este relato faz recordar que o nosso batismo nos liga a uma vida no discipulado. Atualmente, podemos estar “casados” com o amor errado: drogas, álcool, a sede pelo poder ou dinheiro, sexo, ou mesmo controlar o outro. Assim podemos ouvir Jesus a dizer: “E o homem que você tem agora não é o seu marido”. Ajudaria se tentássemos responder à pergunta: “Como podemos priorizar a nossa vida de forma que Cristo esteja no centro?”

Quando encontramos o Cristo vivo (nos sacramentos ou em nossas experiências diárias) e mergulhamos neste encontro, necessariamente nos transformamos. E esta transformação deve nos levar ao discipulado. O discipulado tem um custo. Exige que eu seja um cristão melhor, uma pessoa que não vive com medo ou ansiedade. Uma autoimagem negativa – como a que tinha a Mulher Samaritana, ou a que eu tinha quando mais jovem – não reflete que sou alguém amado por Deus. Uma pessoa que Deus ama não está sozinha e não é abandonada sem nada.

Eu ainda estou me curando das experiências que tive. A mulher se libertou e disse ao seu povo: “Venham ver um homem que disse tudo o que eu fiz”. Tive pessoas em minha vida que ajudaram a dividir os meus sentimentos e curar as minhas amarguras. Elas me mostraram as partes de mim mesma que estavam escondidas, que eu mesma não admitia. É uma nova forma de “sair do armário”.

Quais as coisas que precisamos para os libertar? Jesus não quer que mudemos o nosso passado vergonhoso, mas sim que transformemos a nossa relação com Ele. Quando a mulher deixou o encontro no poço, a aparência exterior dela não mudou: ela ainda era a Samaritana, uma mulher saindo do poço num momento incomum. Mas, agora, ela saiu com uma outra orientação quanto à missão, enquanto antes ela estava simplesmente com medo e envergonhada.

O Tempo da Quaresma nos convida a sair do armário e a aprofundarmos a nossa conversão em Jesus. Espero que tenhamos a força para dar estes passos de maneira que nós, como os aldeões no fim do Evangelho de hoje, possamos proclamar com a nossa humanidade inteira – com os pontos fortes, com os embaraços – que Jesus é “verdadeiramente o salvador do mundo”.

Perguntas para refletir:

O que em sua vida ainda precisa sair do armário? O que em sua vida carece da água vivificante? Quem são os seus “maridos”? Quem fica no caminho de Deus, o seu verdadeiro e único amor?

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Sair do armário” para proclamar o Evangelho de Jesus - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV