Colômbia. ONU alerta para aumento de assassinatos em terras que eram ocupadas pelas Farc

Revista ihu on-line

Junho de 2013 – Cinco Anos depois.Demanda de uma radicalização democrática nunca realizada

Edição: 524

Leia mais

A esquerda e a reinvenção da política. Um debate

Edição: 523

Leia mais

A virada profética de Francisco – Uma “Igreja em saída” e os desafios do mundo contemporâneo

Edição: 522

Leia mais

Mais Lidos

  • Steve Bannon, cardeal Burke, ministro Salvini e o complô para derrubar o Papa Francisco

    LER MAIS
  • Migrações, 30 milhões de crianças deslocadas no mundo por causa dos conflitos: é o número mais alto desde a Segunda Guerra Mundial

    LER MAIS
  • Sínodo dos jovens, as novas linhas. Rumo a uma virada sobre sexo e casais homossexuais

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: João Flores da Cunha | 18 Março 2017

Os assassinatos de líderes sociais e de defensores de direitos humanos estão aumentando em áreas da Colômbia que contavam historicamente com presença das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia – Farc. O alerta é do Escritório da Colômbia do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos.

O “vazio deixado pelas Farc” está sendo “ocupado por grupos ao serviço do narcotráfico”, de acordo com a entidade, ligada à Organização das Nações Unidas – ONU. O Alto Comissariado divulgou no dia 16-03 seu relatório anual sobre a situação dos direitos humanos no país. A cerimônia de apresentação dos resultados ocorreu em Bogotá, capital do país.

A ONU registrou 389 ataques a ativistas de direitos humanos em 2016. Houve 59 homicídios de defensores, 45 deles em áreas que as Farc desocuparam no último ano. As forças da guerrilha estão atualmente em zonas temporárias de concentração acordadas com o governo para proceder à entrega de suas armas.

“É notável o aumento de assassinatos nas áreas rurais em comparação com 2015, quando o Escritório registrou 25 vítimas. Isso está relacionado com os vazios de poder que as Farc deixaram, e a escassa ou fraca presença do Estado”, registra o estudo das Nações Unidas.

Todd Howland, representante na Colômbia do Alto Comissariado da ONU, pediu que haja uma maior presença institucional do Estado nessas áreas deixadas pelas Farc. Ele afirmou que há uma relação direta entre os crimes e os cultivos ilícitos de drogas, comuns nessas regiões em que o Estado colombiano esteve ausente por décadas: onde há mais cultivos, há mais homicídios.

De acordo com o relatório, as principais causas para a violência contra os defensores de direitos humanos são a sua luta contra o narcotráfico e a mineração ilegal e pelo direito à terra. Os crimes são sistemáticos e cometidos por paramilitares, segundo o Alto Comissariado, que atuam com o objetivo claro de ocupar os espaços deixados pelas Farc.

Todd Howland fez referência ao processo de paz com as Farc como um “momento crítico” na história do país. O Ministro do Interior da Colômbia, Juan Fernando Cristo, esteve presente na cerimônia de apresentação do relatório. Ele admitiu que “há grandes desafios em matéria de controle territorial e presença institucional nas zonas deixadas pelas Farc”.

Após a apresentação do relatório, também assinalou que “são muitos os fatores e os atores violentos nessas regiões em que ocorrem esses atos violentos. O denominador comum é o negócio do narcotráfico e da mineração ilegal”. O Ministro da Defesa do país, Luis Carlos Villegas, negou que os crimes contra defensores de direitos humanos tenham um caráter sistemático.

A partir do relatório, a ONU emitiu recomendações ao Estado colombiano, que envolvem “reconhecer o assassinato de defensores de direitos humanos como uma situação grave”. Também pediu que sejam tomadas medidas de proteção para os ativistas, de forma a garantir sua segurança.

Leia mais:

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Colômbia. ONU alerta para aumento de assassinatos em terras que eram ocupadas pelas Farc - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV