A mudança "bioética" da Igreja e as palavras de Francisco

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Francisco denuncia: “Ouvimos mais as empresas multinacionais do que os movimentos sociais. Falando claramente, ouvimos mais os poderosos do que os fracos e este não é o caminho”

    LER MAIS
  • Prefeito da Doutrina da Fé pede para que padre irlandês, defensor da ordenação de mulheres, faça os juramentos de fidelidade aos ensinamentos da Igreja

    LER MAIS
  • Fogo no Pantanal mato-grossense começou em fazendas de pecuaristas que fornecem para gigantes do agronegócio

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


08 Março 2017

Os dez anos que nos separam da morte de Piergiorgio Welby parecem se duplicar quando olhamos para a mudança de atitude da Igreja Católica, e certamente é a sombra de Francisco que exagera o efeito da distância.

A nota é de Luigi Accattoli, publicada no jornal Corriere della Sera, 07-03-2017. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

A comparação entre o funeral negado na época a Welby e a acolhida de hoje ao pedido dos familiares de Fabo é assimétrica, porque Mina Welby, católica praticante, pedia para Giorgio uma “liturgia das exéquias” plena, enquanto a mãe de Fabo pedia apenas a hospitalidade nos locais paroquiais para uma “recordação” dos familiares e dos amigos.

Será – pelo que se sabe – de uma “liturgia da Palavra” e não de um funeral de verdade, com missa e bênção das cinzas (Fabo escolheu a cremação). No entanto, a atitude diferente é surpreendente, considerando também que, em ambos os casos, é semelhante a reivindicação de uma lei sobre o fim da vida que reconheça a vontade subjetiva de morrer.

Na sua época, o cardeal Ruini havia motivado a negação do funeral com a referência àquela reivindicação “contrária” ao ensinamento católico. Para entender a nova atitude, são úteis estas palavras ditas por Francisco no dia 14 de junho de 2013, a fim de solicitar a aproximação aos não crentes: “Para dialogar, é preciso abaixar as defesas e abrir as portas”.

Leia mais:

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A mudança "bioética" da Igreja e as palavras de Francisco - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV