Meryl Streep comove no Globo de Ouro com discurso crítico a Trump

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • O cardeal filipino Luis Antonio Tagle, a reforma da Igreja e o próximo pontificado

    LER MAIS
  • Bartomeu Melià: jesuíta e antropólogo evangelizado pelos guarani (1932-2019)

    LER MAIS
  • “30% dos eleitos para serem bispos rejeitam a nomeação”, revela cardeal Ouellet, prefeito da Congregação para os Bispos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

09 Janeiro 2017

Em uma cerimônia sem discursos marcantes e politicamente omissa, coube à homenageada da noite, Meryl Streep, dar algum valor histórico à edição de 2017 do Globo de Ouro, na noite de domingo (8), em Los Angeles.

A reportagem é de Gabriela Sá Pessoa, publicada por portal Uol, 09-01-2017.

"Mas quem somos nós? O que é Hollywood? Eu fui criada nas escolas públicas de Nova Jersey", discursou a atriz, citando as diferentes origens e nacionalidades de seus colegas do showbiz.

Foi uma crítica elegante e comovente à xenofobia, crescente nos Estados Unidos que serão governados por Donald Trump, que prometeu deportar três milhões de imigrantes e construir um muro separando o país do México. "Se mandarmos todos os estrangeiros embora, não vamos ter nada o que assistir a não ser futebol e artes marciais. E isso não é o que a arte deve ser", ela prosseguiu.

Streep ainda criticou as atitudes do futuro presidente, como quando ridicularizou um jornalista deficiente em um comício. "Esse exemplo dado por uma pessoa tão poderosa dá permissão a outras pessoas para desrespeitar. A violência incita a violência. O desrespeito incita o desrespeito. Se alguém usa sua posição para fazer bullying, todos nós perdemos."

Para uma plateia já chorosa, a atriz defendeu a imprensa na era da "pós-verdade", em que a difusão de notícias falsas pelas redes sociais ganha relevo.

"Precisamos que a imprensa mostre todos esses atos [de Trump]. Peço que a nossa comunidade ajude a proteger os jornalistas, porque precisamos deles mais do que nunca", continuou Streep, que terminou o discurso lembrando a amiga Carrie Fisher: "Como a minha amiga, a querida princesa Leia, que nos deixou, me disse uma vez: pegue seu coração partido e o transforme em arte".

Fora o discurso de Meryl, pouco, ou nada, será lembrado do Globo de Ouro. Apresentador da vez, Jimmy Fallon desapareceu.

Em suas poucas interações, o comediante criticou a eleição de Donald Trump em meia dúzia de piadas no monólogo de abertura, ao mesmo tempo em que elogiou o júri do prêmio: "Este é o Globo de Ouro. Um dos poucos momentos em que a América ainda honra o voto popular".

O oposto do ácido Ricky Gervais, que em 2016 entornou copos de chope e se dirigiu aos poderosos de Hollywood, ali na festa, como "um bando de viciados em remédios e depravados sexuais".

Com uma exceção: Tracee Ellis Ross, melhor atriz em série de comédia por "Black-ish", dedicou a estatueta a "todas as mulheres de cor e às pessoas coloridas, cujas ideias nem sempre são consideradas válidas e importantes".

E Donald Glover, criador do seriado "Atlanta" (FX), também lembrou do "povo que sobrevive" na cidade de Atlanta, palco de protestos raciais.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Meryl Streep comove no Globo de Ouro com discurso crítico a Trump - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV