Frases do dia. A conjuntura do final de semana em destaque

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • A economista que defende uma mudança radical do capitalismo para o mundo pós-pandemia

    LER MAIS
  • Pedro Casaldáliga: sua Morte dá Sentido ao seu Credo

    LER MAIS
  • Três transições necessárias

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


05 Dezembro 2016

Sai de baixo

“O governo do presidente Michel Temer se prepara para descer ao abismo no primeiro semestre de 2017, em que podem se juntar recessão e os efeitos da delação da empreiteira Odebrecht. Um assessor que despacha no Palácio do Planalto define com uma palavra o sentimento da equipe: medo” – Mônica Bergamo, jornalista – Folha de S. Paulo, 05-12-2016.

O que vem por aí

“O governo respirou aliviado com o saldo das manifestações em todo o País: foco no Congresso, em geral, e em Renan Calheiros, em particular, apoio à Lava Jato e nada de coro de “fora, Temer”. Mas não há otimismo no Executivo com o que está por vir na política e na economia” – Vera Magalhães, jornalista – O Estado de S. Paulo, 05-12-2016.

Sete ministros e... Temer

“A expectativa é de que a delação de mais de 70 pessoas ligadas à Odebrecht implique ao menos sete ministros de Michel Temer. Sabe-se, ainda, que o próprio presidente será citado nas delações de Marcelo Odebrecht e de mais ao menos dois executivos da empreiteira, por doações eleitorais negociadas diretamente por ele” – Vera Magalhães, jornalista – O Estado de S. Paulo, 05-12-2016.

Fritura

“No front econômico, a fritura de Henrique Meirelles, na qual Temer tentou jogar água no fim de semana, não deve cessar. Chamada de “devaneio irresponsável” por um auxiliar do presidente, ela parte do PSDB e de setores do PMDB que veem na demora de melhora dos indicadores econômicos risco real para Temer concluir o mandato-tampão” – Vera Magalhães, jornalista – O Estado de S. Paulo, 05-12-2016.

Forca e descarte

“Temer já conhece os nomes que devem aparecer na “delação das delações”. Há quem aconselhe uma ação profilática, com o afastamento de ministros antes da homologação dos acordos. Mas a tendência do presidente é agir como tem feito em casos semelhantes: aguardar o auxiliar se enforcar, para só então descartá-lo. O problema é que, a depender do estrago no coração do governo, não haverá biombo do Congresso que impeça que as ruas se voltem na sua direção” – Vera Magalhães, jornalista – O Estado de S. Paulo, 05-12-2016.

Fora de foro

“O tête-à-tête de Renan Calheiros com Sergio Moro na sessão de quinta-feira (1º) teve um efeito prático: o presidente do Senado se convenceu de que não quer o magistrado paranaense julgando autoridades federais” – Natuza Nery, jornalista – Folha de S. Paulo, 05-12-2016.

Tenho dito

“Depois da audiência, Renan avisou a líderes de bancadas que não tem pressa alguma de pautar em plenário o projeto que acaba com o foro privilegiado” – Natuza Nery, jornalista – Folha de S. Paulo, 05-12-2016.

Retorno de Saturno

“Cresce no setor privado o temor de que Michel Temer não dê conta da crise política e econômica. Mesmo entre figurões do mercado financeiro, reduto que rendeu maior entusiasmo ao presidente até aqui, diz-se que o “inferno astral” está em curso. Os cálculos embutem o risco de Temer perder ministros próximos para a Lava Jato. “Ou Temer vira um Itamar Franco, ou vira um Sarney, ou uma Dilma. FHC não tem mais chance de ser”, resume a análise de uma influente corretora” – Natuza Nery, jornalista – Folha de S. Paulo, 04-12-2016.

Tudo ou nada

“O mercado se divide sobre como o PSDB deve se comportar. Parte defende que a sigla entre de cabeça para tentar salvar o governo — há quem advogue por um tucano na Casa Civil caso o ministro Eliseu Padilha seja abatido pela Odebrecht” – Natuza Nery, jornalista – Folha de S. Paulo, 04-12-2016.

Passar bem

“Outro grupo, no entanto, recomenda que o PSDB fique quão longe puder do Planalto para não se contaminar com o desgaste” – Natuza Nery, jornalista – Folha de S. Paulo, 04-12-2016.

Bola de cristal

“O cenário de hoje pode não ser o cenário daqui a 15 dias, tamanha a nossa insegurança“, pondera um importante aliado” – Natuza Nery, jornalista – Folha de S. Paulo, 04-12-2016.

Minha sina

“Caso uma tempestade perfeita se forme, todos — PSDB à frente — pularão no barco da cassação da chapa Dilma-Temer pelo TSE” – Natuza Nery, jornalista – Folha de S. Paulo, 04-12-2016.

Guiness Book

“Temer pode ir para o ‘Guiness Book’ como recordista mundial de velocidade no percurso vice-presidente-presidente-ex-presidente” – Randolfe Rodrigues, senador – REDE-AP, vendo paralelos entre a crise atual e a que derrubou o governo Dilma Rousseff – Folha de S. Paulo, 04-11-2016.

Nem isso!

“De um sábio que viveu a recessão da crise econômica da ditadura e padece a atual. "No tempo dos generais a gente ainda podia cantar 'Amanhã Vai Ser Outro Dia'. Hoje, nem isso." – Elio Gaspari, jornalista – Correio do Povo, 03-12-2016.

Lição

“A lição de 2016, ano em que tudo que jamais aconteceria aconteceu, é que a maneira que acreditávamos ser a certa de fazer as coisas não se aplica mais” – Rodrigo Nunes, professor de filosofia moderna e contemporânea na PUC-Rio – Folha de S. Paulo, 04-12-2016.

Ponto de partida

“Deixar de se esforçar para parecer respeitável nos velhos moldes e chamar as coisas pelos nomes, não hesitar em dizer que a solução para x é y (mesmo que ela seja "inviável no Congresso") e acolher os medos e anseios das pessoas para mobilizar a partir deles poderiam ser o ponto de partida para uma obscenidade de esquerda” – Rodrigo Nunes, professor de filosofia moderna e contemporânea na PUC-Rio – Folha de S. Paulo, 04-12-2016.

Funeral

“Um presidente da República que não pode frequentar um velório talvez esteja vivendo seu próprio funeral. Em política, quando o vivo é pouco militante muitos têm vontade de lhe enviar coroas de flores” – Josias de Souza, jornalista – portal Uol, 02-12-2016.

Marionetes

“Além de passarem por pipoqueiros, os jogadores do Inter não deveriam aceitar o papel de marionetes do presidente pífio e sua turma” – Juca Kfouri, jornalista – portal Uol, 02-12-2016.

Pequenos

"É muito bom quando um clube grande tem dirigentes grandes. O problema é quando um clube gigante tem dirigentes pequenos. O caso do Atlético Nacional é assim: um clube grande com dirigentes grandes. Diferente do Internacional que é um clube grande com dirigentes que... Bom, é melhor eu nem falar" – Luciano Buligon (PSD), prefeito de Chapecó – SC – O Estado de S. Paulo, 04-12-2016.

Tapetão

"Já perdemos um campeonato no tapetão. Então, o Inter tem todas as questões éticas para defender o caso. Isso vai ser tratado com o jurídico. Não tenho problema de ter a fama de usar o tapetão” – Fernando Carvalho, vice-presidente de futebol do Internacional, aludindo ao Brasileiro de 2005 – O Estado de S. Paulo, 04-12-2016.

Demissão

“O presidente Michel Temer esteve neste sábado (3) a momentos de demitir-se do cargo de chefe de Estado. O chefe, por tradição imemorial, é quem, em tese, está ao lado dos seus nos bons e nos maus momentos, mais ainda nos piores momentos. É evidente que a alma do brasileiro viveu nesta semana um de seus piores momentos, com a morte dos integrantes da Chapecoense e de toda uma equipe de jornalistas. Por isso mesmo, qualquer chefe digno desse nome teria tomado a decisão de acompanhar os passos que foram sendo dados para o atendimento aos sobreviventes e para o sepultamento dos mortos, afinal marcado para este sábado” – Clovis Rossi, jornalista – Folha de S. Paulo, 04-12-2016.

Dimensão

“A Presidência da República tem o dever de divulgar o nome do assessor que, na última hora, sugeriu que Temer fosse à Arena Condá e, com isso, evitasse o pedido simbólico de demissão que seria a sua ausência. Saberíamos, assim, que há pelo menos uma pessoa no Palácio do Planalto ou, talvez, no avião presidencial capaz de ter a dimensão do tamanho do cargo e da necessidade de não esconder-se nem fugir” – Clovis Rossi, jornalista – Folha de S. Paulo, 04-12-2016.

Prioridades tóxicas

“Por um golpe do destino, três dias depois de Renan Calheiros ter sido enviado ao banco dos réus pelo Supremo Tribunal Federal, o Senado inicia uma semana em que a pauta de votações do plenário inclui duas prioridades tóxicas: o projeto que trata da contenção de abusos de autoridade (pode me chamar de 'Amansa-Lava Jato') e a proposta que legaliza os jogos de azar no Brasil” – Josias de Souza, jornalista – portal Uol, 04-12-2016.

Encrencados

“Numa evidência de que os senadores desplugaram-se da realidade, quem empina a ideia de arrochar juízes e procuradores que “abusam do poder” é o próprio réu Renan (PMDB-AL), protagonista de 12 processos judiciais no Supremo, oito dos quais relacionados à Lava Jato. E quem patrocina a legalização de cassinos e bingos, com o apoio do réu e a simpatia do Planalto, é o senador Ciro Nogueira (PP-PI), outro encrencado na Lava Jato” – Josias de Souza, jornalista – portal Uol, 04-12-2016.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Frases do dia. A conjuntura do final de semana em destaque - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV