Registro Civil 2015: país contabiliza mais de 18 mil mortes violentas de mulheres

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “Não acontece todos os dias de acompanhar o sepultamento de um santo”. Entrevista com Dom Adriano Ciocca

    LER MAIS
  • Francisco falará na ONU sobre a pós-pandemia e a dívida externa dos países periféricos

    LER MAIS
  • Pressão de frigoríficos derruba norma de proteção e aumenta contágio da Covid no PR

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


26 Novembro 2016

No último ano, o Brasil registrou 18.115 óbitos de mulheres por causas violentas (acidentes de trânsito, afogamentos, suicídios, homicídios e quedas acidentais). Em relação à última década, as mortes de mulheres jovens, de 15 a 24 anos, aumentaram na maioria dos estados das regiões Norte e Nordeste e diminuíram no Sul, Sudeste e na maior parte do Centro-Oeste. É o que revela a pesquisa “Estatísticas do Registro Civil 2015”, divulgada nesta quarta-feira (24) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE).

A reportagem é de Géssica Brandino, publicada por Agência Patrícia Galvão, 24-11-2016.

Clique para fazer download do estudo
Clique para acessar as tabelas com a íntegra dos dados

O estudo é resultado da coleta das informações prestadas pelos cartórios de registro civil de pessoas naturais, varas de família, foros ou varas cíveis e tabelionatos de notas de todo o país. Em 2015, foram 2.668 mortes femininas violentas na faixa de 15 a 24 anos. Na análise comparativa em relação a 2005, os dados mostram que em 14 estados houve redução de óbitos. As maiores quedas foram registradas no Acre (-50%), Amapá (-42,9%), Rio de Janeiro (-40,8%), Espírito Santo (-37,1%) e São Paulo (-32,7%).

Os índices de mortes violentas de mulheres no Acre e Amapá, entretanto, são exceções na região Norte do país. No Amazonas, por exemplo, foi registrada a maior expansão de mortes violentas na população feminina (171,4%). Este foi o único estado onde o aumento dos óbitos femininos superou os 100%, tendo crescido mais em comparação à variação masculina no período analisado.

Na região Nordeste, assim como no Norte, apenas dois estados apresentaram diminuição nos índices: Pernambuco (-28,8%) e Paraíba (-3,1%). Os estados que registraram os maiores aumentos foram Sergipe (85,7%), Piauí (71,4%) e Ceará (73,2%). No Centro-Oeste, o Mato Grosso foi o único estado que não apresentou redução, mas um aumento de 4,9% nos óbitos femininos.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Registro Civil 2015: país contabiliza mais de 18 mil mortes violentas de mulheres - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV