Protesto na Áustria em defesa do Tapajós

Revista ihu on-line

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Mais Lidos

  • Vaticano, roubadas da igreja estátuas indígenas consideradas “pagãs” e jogadas no Tibre

    LER MAIS
  • A peleja religiosa. Artigo de José de Souza Martins

    LER MAIS
  • Começa a hora da decisão para os bispos da Amazônia na semana final do Sínodo. Artigo de Thomas Reese

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

12 Novembro 2016

Ativistas do Greenpeace realizaram um protesto em Viena para pedir o fim da construção de hidrelétricas na Amazônia

Nesta quinta-feira, 10 de novembro, ativistas do Greenpeace Áustria fizeram um protesto no 19º Seminário Internacional de Hidrelétricas, uma conferência que reúne as principais empresas do setor. Buscando conscientizar sobre a devastação causada pelas hidrelétricas na Amazônia, eles pediram para que as empresas não participem de futuros projetos na região. Durante a atividade, abriram uma faixa com os dizeres, em inglês: “não destruam a Amazônia para construir hidrelétricas!”.

A informação foi publicada por Greenpeace Brasil, 10-11-2016.

O povo Munduruku, um dos principais atingidos pela construção de barragens no rio Tapajós, está lutando contra o barramento dos rios e pela proteção de seu território. Mais de 1,2 milhão de pessoas ao redor do mundo já se juntaram a essa luta. Em agosto de 2016, o processo de licenciamento da principal hidrelétrica a ser construída na região foi cancelado, o que foi um importante passo para a proteção do coração da Amazônia. No entanto, ainda existem pelo menos outras 40 hidrelétricas planejadas ou em estágio avançado de construção somente na bacia do rio Tapajós.

As hidrelétricas construídas em biomas frágeis como a Amazônia impactam gravemente a biodiversidade e a vida dos povos da floresta, sem falar que também podem emitir quantidades consideráveis de gás carbônico contribuindo com as mudanças climáticas.

Grandes empresas que detêm a tecnologia para a construção de hidrelétricas, como a Siemens, GE e a Andritz não se distanciaram desses projetos e ainda podem se envolver com a construção dessas novas barragens. O Greenpeace pede para que elas se comprometam a publicamente a não participar das hidrelétricas na Amazônia.

É possível garantir a energia que o Brasil precisa sem condenar a Amazônia, sua biodiversidade e seus povos tradicionais. Em vez de contribuir com a destruição da floresta e a violação de direitos, o governo brasileiro e as empresas deveriam ajudar o país a desenvolver um futuro de energia renovável e verdadeiramente limpa, como a eólica e a solar.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Protesto na Áustria em defesa do Tapajós - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV