Amazônia sob vigilância constante da Nasa: nada escapa aos satélites

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • “Os pecados da carne não são os mais graves. Os mais graves são aqueles que têm mais 'angelicalidade': a soberba, o ódio”. Entrevista do Papa Francisco

    LER MAIS
  • Digital, serial, algorítmica, a cultura do século XXI chegou

    LER MAIS
  • Ômicron, natureza e arrogância humana: uma guerra entre patógenos e humanos. Artigo de Alexandre A. Martins

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


12 Novembro 2016

A floresta amazônica é vigiada pela NASA em todas as suas variantes, nada escapa aos satélites e análises da agência espacial americana, como ficou provado na COP 22, através das demonstrações dos dados coletados pela maior rede de satélites do mundo.

A informação foi publicada por A Crítica, 11-11-2016.

Em 24 horas, cerca de 20 milhões de dados são coletados pelas máquinas que estão no espaço. O cientista Americano da NASA Dr Ali Omar mostrou no pavilhão 4, da COP 22, onde fica o estande da delegação Americana, ‘que os olhos dos Estados Unidos’ estão em todos os continentes e que isso é necessário para alertar a América sobre as catástrofes naturais e as provocadas também pelos homens. “Nossos satélites desempenham um serviço de alerta, como já sabemos nos casos dos furacões e demais fenômenos climáticos que chegam à costa americana”, destacou.

O que ficou explícito com a rede de vigilância espacial americana é que as mudanças climáticas estão registradas cientificamente e que os cientistas da NASA tem os dados monitorados, dos riscos que a humanidade está correndo com a destruição das florestas. Do alto se vê que parte das florestas tropicais da Africa Central, da Indonésia e, agora, da Amazônia, na fronteira do Brasil com o Peru, estão sendo afetadas pelas queimadas, indústrias madeireiras e de mineração.

Com todo esse banco de dados online à disposição, os cientistas americanos têm as ferramentas necessárias para mostrar ao futuro presidente Donald Trump, que ele precisa rever suas posições contrárias ao meio ambiente, mesmo porque, o colapso do clima significará a quebra das safras dos EUA e prejuízos trilionários da maior economia do planeta.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Amazônia sob vigilância constante da Nasa: nada escapa aos satélites - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV