O Brasil do teto subiu no telhado

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

31 Outubro 2016

O salário mínimo não vai aumentar até 2018, pelo menos. Terá sido o terceiro ano sem reajuste real. Na era de expectativas crescentes de melhoria de vida, depois de 2002, o poder de compra do mínimo cresceu a quase 4% ao ano, 73% desde então até agora.

O comentário é de Vinicius Torres Freire, jornalista, publicado por Folha de S. Paulo, 30-10-2016.

O que será da política arruinada do Brasil nesta época de expectativas reduzidas por anos de recessão e limite estrito de gasto do governo, "teto"?

Recorde-se que 23 milhões de pessoas recebem benefícios sociais que valem um mínimo. O trabalho de outros 23 milhões rende no máximo um mínimo por mês -trata-se de um quarto da gente que trabalha.

É apenas uma pincelada grossa no quadro do que deve ser o Brasil até a eleição de 2018, que ficará bem borrado pela disparidade entre as esperanças dos anos de melhoria e estes de estagnação com reformas pela goela abaixo.

A disparidade será sentida. Lembre-se do caso do avanço dos benefícios para desvalidos de quase tudo, deficientes e idosos muito pobres e candidatos ao Bolsa Família. Eram menos de 3 milhões de benefícios em 2002; mais de 18 milhões em 2014.

O gasto social direto do governo federal cresceu de 12,6% do PIB para 15,2% do PIB no período. Esse aumento quase todo foi para assistência social, Previdência de quem ganha um mínimo, educação básica e moradia (quase não houve aumento relativo do gasto em saúde).

Não está em questão aqui e agora se esse aumento de despesa era a melhor alternativa, se tal crescimento era ou é "sustentável", se foi financiado de modo adequado ou se prejudicou um balanço melhor entre redistribuição e crescimento econômico, discussão decerto incontornável.

O problema é o que será feito dos conflitos de um país que terá ficado estagnado entre 2013 e, com sorte, 2021, dado o colapso de projetos políticos, para nem falar da ruína criminal.

Alguém poderia dizer, com sarcasmo sinistro, que os anos de melhorias criaram gorduras bastantes para que o povo miúdo sofra quieto por algum tempo. Não estamos nos anos 1980, de pobreza e desigualdade muito maiores, mas de recessões tão grandes quanto a deste triênio desgraçado de 2014 a 2016.

Além de perverso, o comentário seria obtuso.

Para começar, os anos até 2014 foram, repita-se, de expectativa de melhoria social crescente, associada por parte relevante do povo a uma mudança de governo, goste-se ou não do governo (do PT) ou da mudança, de resto em país mais educado e habituado à democracia. Esse país vai sofrer de súbita amnésia?

Para continuar, houve revolta séria em 2013. Os motivos eram variados ou conflitantes, mas se gritava que, mesmo naquele Brasil melhorzinho, o serviço e as mudanças oferecidas por lideranças políticas eram muito insuficientes.

Desde 2014, porém, a política desmorona. Não há nem algo parecido com a alternativa tucana de 1994 ou a petista de 2002. Nos anos por vir, a perspectiva é de desarticulação completa entre política convencional e sociedade.

Não há sinal de projeto político que indique saída socialmente palatável ou pactuada desse angu amargo em que estaremos metidos. Isto é, que dê sinal de esperança ou sugira divisão mais justa dos custos do ajuste, para ficar apenas no básico.

Durma-se com um silêncio destes.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O Brasil do teto subiu no telhado - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV