Governos de países da América Central contribuem para crise de refugiados, diz Anistia Internacional

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • “Os pecados da carne não são os mais graves. Os mais graves são aqueles que têm mais 'angelicalidade': a soberba, o ódio”. Entrevista do Papa Francisco

    LER MAIS
  • Digital, serial, algorítmica, a cultura do século XXI chegou

    LER MAIS
  • Ômicron, natureza e arrogância humana: uma guerra entre patógenos e humanos. Artigo de Alexandre A. Martins

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: João Flores da Cunha | 20 Outubro 2016

Os governos de El Salvador, Guatemala e Honduras estão “dando as costas a centenas de milhares” de pessoas que fogem da violência na América Central, de acordo com um relatório divulgado em 14-10 pela organização não-governamental Anistia Internacional. A ONG denunciou que esses países não têm cumprido com a responsabilidade de proteger seus cidadãos da violência, e que isso aumenta o número de refugiados que se veem obrigados a fugir da região.

Intitulado “Lar doce lar? O papel de Honduras, Guatemala e El Salvador na crescente crise de refugiados”, o relatório destaca que a região convive com um nível de violência que é típico de zonas de guerra. Os três países formam o que é conhecido como Triângulo Norte, região marcada pela violência desde meados do século XX, e que conta com índices de homicídio que estão entre os mais altos do mundo.

Habitantes desses países se veem forçados a fugir para a América do Norte “para salvar a vida”, segundo a Anistia Internacional. O relatório também responsabiliza os governos por não darem assistência às pessoas que são deportadas dos Estados Unidos e do México quando essas voltam à América Central e precisam ser reintegradas na sociedade.

As pessoas que sofrem com a violência na América Central são “protagonistas de uma das crises de refugiados menos visíveis do mundo”, afirmou Salil Shetty, secretário-geral da Anistia Internacional. O relatório destacou ainda a impunidade dos crimes, que raramente são solucionados, e o fato de que eles afetam principalmente os jovens: mais da metade dos assassinados em 2015 nesses países tinham menos de 30 anos, segundo a ONG.

Leia mais:

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Governos de países da América Central contribuem para crise de refugiados, diz Anistia Internacional - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV