“Bergoglio é um pastor. Ele não pensa como relativista”. Entrevista com Emanuele Severino

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Biden e o Papa – a lista negra da Igreja nos Estados Unidos e o futuro do catolicismo. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • O declínio da Teologia da Libertação: uma releitura de 'O novo rosto do clero' de Agenor Brighenti

    LER MAIS
  • Liturgia e sinodalidade. Questões-chave

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


02 Outubro 2016

“Sim, a expressão é talvez excessiva. Contudo...”. O filósofo italiano Emanuele Severino, desafiado a comentar a declaração do Papa Francisco feita ontem, na Georgia, de que uma guerra mundial contra o matrimônio é feita pela ‘Gender Theory”, a teoria de gênero.

A afirmação foi feita de improviso, na reunião com os padres, seminaristas e religiosas e religiosos em Tiblisi, capital da Georgia, no sábado, dia 01-10-2016.

Severino para um instante antes de prosseguir o seu raciocínio. Ele tenta explicar porque Francisco usou o conceito de “guerra mundial” aplicado ao fim dos matrimônios.

A entrevista é de Giusi Fasano, publicada por Corriere della Sera, 02-10-2016. A tradução é de IHU On-Line.

Contudo?

Contudo o erro que se comete normalmente é não ter em conta a crise mundial planetária que está atravessando o nosso tempo e que diz respeito ao abandono de todos os grandes valores da tradição ocidental. Eis o problema. Somente se olharmos este terremoto de fundo podemos entender e nos espantar com a expressão “guerra mundial”.

A “teoria de gênero” é o inimigo: colonização ideológica que destrói, afirma Bergoglio.

Concordo sobre o fato de que são as ideias que determinam um conflito mundial. O seu grito de alarme,  e nos colocando no papel de um Papa, é totalmente justificado. É claro e indubitável que os novos costumes sexuais significam a destruição da família no sentido tradicional. E parece-me estranho denominar matrimônio outras formas de união. Também os nomes são importantes... Talvez não refletimos até o fundo o que significa a destruição da tradição ocidental: ou seja, o fim de dois mil anos de existência cristã.

As palavras contra o divórcio e a 'teoria gender' parecem longínquas das aberturas a que Francisco nos não tem habituado. É assim?

Há muitos equívocos sobre as inovações deste Papa que é sobretudo um pastor, não um teólogo. Tem costumes que os precedentes não tinham, é a imagem do bom pastor que está no meio do rebanho e as pessoas são tocadas por esta diferença. Mas é somente a superfície, pois do ponto de vista doutrinal, Francisco tem as mesmas posições dos seus predecessores. Não é certamente um relativista e isto que falou sobre os matrimônios é mais uma confirmação.

Leia também...

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Bergoglio é um pastor. Ele não pensa como relativista”. Entrevista com Emanuele Severino - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV