Colômbia enterra meio século de guerra

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • O psicanalista analisa o "vazio de sentido". "A técnica domina, a política não decide, os jovens consomem e ponto". Entrevista com Umberto Galimberti

    LER MAIS
  • ''Estamos vendo o início da era da barbárie climática.'' Entrevista com Naomi Klein

    LER MAIS
  • Necropolítica Bacurau

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

27 Setembro 2016

Governo e FARC põem fim a 52 anos de guerra ante respaldo unânime da comunidade internacional.


O presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, aperta a mão de Rodrigo Londoño, o Timochenko, líder das FARC, depois da assinatura do acordo final. Foto: Presidência da Colômbia. Fonte: El País.

A reportagem é de Javier Lafuente e publicada por El País, 26-09-2016.

A partir de agora, os amantes das efemérides que rastrearem em hemerotecas, bibliotecas ou buscadores da Internet o que aconteceu em 26 de setembro de 2016 toparão com um desses fatos icônicos que deveriam marcar o antes e o depois na história de um país, e até de um continente. O Governo da Colômbia e a guerrilha das FARC firmaram a paz depois de 52 anos de guerra, cerca de oito milhões de vítimas, mais de 260.000 mortos, dezenas de milhares de deslocados. “Em nome das FARC-EP peço perdão a todas as vítimas do conflito”, foram as palavras finais do discurso do líder da guerrilha, conhecido como Timochenko, que se apresentou na cerimônia como Rodrigo Londoño, seu nome civil. “Essa é a libertação que dá o perdão. O perdão que liberta não só o perdoado, como também — e sobretudo — o que perdoa”, disse pouco depois Juan Manuel Santos, o mandatário colombiano.

O acordo, fruto de quatro anos de intensas negociações em Havana, materializou-se na noite da segunda-feira em uma solenidade em Cartagena das Indias. Tem o apoio unânime da comunidade internacional, mas ainda deve ser votado pelos colombianos. O plebiscito de 2 de outubro foi mencionado várias vezes no discurso do presidente colombiano: “Com seu voto, cada colombiano terá um poder imenso: o poder de salvar vidas”.

Estavam presentes mais de uma dezena de chefes de Estado da América Latina e personalidades como o ex-primeiro-ministro espanhol Felipe González, o rei emérito da Espanha, o secretário de estado dos Estados Unidos John Kerry… Além de mais de 2.500 convidados reunidos na esplanada do centro de convenções, de onde se vê a bela cidade murada do Caribe colombiano. “Todo pacto de paz é imperfeito — porque se trata precisamente de um pacto, em que as partes precisam fazer concessões —, mas sabemos que o que conseguimos é o melhor possível”, afirmou Santos. “Eu prefiro um acordo imperfeito que salve vidas a uma guerra perfeita que continue semeando morte e dor em nosso país”.

Em meio à elite nacional e internacional também há um espaço, pequeno em vista do que sofreram, para os protagonistas da história que o país viveu por mais de 5 décadas: as vítimas. Mais de 200 chegaram de avião vindas de Calí, Medellín e Bogotá, muitas outras vinham de Caquetá, Putumayo, Huila, Antioquia, Nariño, lugares que o conflito armado sacudiu sem trégua. “Que bom poder dizer que este é um acordo que honra as milhões de vítimas do conflito, protegendo seus direitos à verdade, à justiça, à compensação e à não repetição”, disse Santos. A essas pessoas pertence a paz selada por Santos e Timochenko. Nenhum dos presentes tinha metade da importância de Karen, Alberto, Luz Eneida, Esaud… representantes de uma dor que começa a chegar a seu fim.

O líder das FARC, em um longo discurso, referiu-se ao mandatário como “um interlocutor corajoso”, não sem deixar de mencionar os duros momentos por que passou o processo de paz, como a morte de um dos principais comandantes da guerrilha, Alfonso Cano. “Nossa única arma será a palavra”, declarou Timochenko, “que ninguém duvide que faremos política sem armas”. As FARC vêm, há algum tempo, reafirmando seu compromisso com o acordado em Havana: “Nós vamos cumprir, esperamos que o Governo cumpra”

O apoio da comunidade internacional tem um componente importante em relação ao plebiscito de domingo. A ONU, por unanimidade do Conselho de Segurança, comprometeu-se a verificar o cessar-fogo bilateral e definitivo e o desarmamento das FARC, que deve respeitar um prazo máximo de seis meses. Ou seja, no primeiro trimestre de 2017 as FARC deverão ter entregado todo seu arsenal para poder iniciar seu caminho à política de forma legal. O compromisso dos países da América Latina, da União Europeia e dos Estados Unidos é total. Desde a semana passada na Assembleia Geral da ONU até este fim de semana, as declarações de apoio foram contínuas. Por isso a vitória do ‘não’ no plebiscito poderia significar uma derrota não só no país, como também no exterior. A Colômbia conseguiria recuperar a confiança que tem agora? O que aconteceria com a missão da ONU que já está em campo há semanas?

O apoio incondicional no exterior contrasta com a oposição ferrenha aos acordos que existem em boa parte do país. Nesta segunda-feira, o ex-presidente Álvaro Uribe, o maior expoente do ‘não’ no plebiscito, participou de um protesto com 2.000 pessoas em Cartagena contra o ato que seria celebrado horas mais tarde na cidade caribenha. Tanto ele como o outro ex-mandatário a favor de rejeitar o acordo, Andrés Pastrana, pediram recentemente, por meio de uma carta, que os líderes mundiais não comparecessem a Cartagena nem participassem de atos em favor da paz. A missiva foi completamente ignorada. O low profile da delegação da Espanha — com o rei emérito e o ministro das Relações Exteriores — foi o único contratempo com que não contava a diplomacia colombiana, que esperava a participação do rei Felipe.

Em Cartagena, a Heroica, o Governo e as FARC porão fim a cinco décadas de horror. Os países que durante anos olharam a Colômbia com displicência e a cobriram de estigmas, saúdam hoje o esforço das partes. Agora, caberá aos colombianos decidir se preferem olhar para um futuro sem chumbo ou instalar-se eternamente no passado.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Colômbia enterra meio século de guerra - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV