Rádio Vaticano fecha e renasce como emissora online de rádio e TV

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • Instrumentum Laboris do Sínodo para a Amazônia, um novo passo de “um 'kairós' para a Igreja e o mundo”

    LER MAIS
  • “Minha filha trans e católica é uma prova viva de como o Vaticano está errado em relação ao gênero”

    LER MAIS
  • Anule-se tudo que aconteceu a partir da criação da Lava Jato

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

03 Setembro 2016

A nova denominação será "Radio Televisão Vaticana". Uma mudança histórica que, no fim de dezembro, porá fim ao longo caminho iniciado solitariamente no dia 12 de fevereiro de 1931, com a primeira mensagem de rádio lida pelo Papa Pio XI.

A reportagem é de Orazio La Rocca e Alberto Custodero, publicada no jornal La Repubblica, 31-08-2016. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Muda a rádio do papa. A partir do dia 31 de dezembro, a emissora pontifícia colocará no sótão a histórica denominação de "Rádio Vaticano" para assumir uma totalmente nova, "Rádio Televisão Vaticana", sinal de uma transformação genética que a levará a incorporar o CTV (Centro Televisivo Vaticano), o órgão de produção televisiva da Santa Sé, fundada no dia 22 de outubro de 1983 por João Paulo II.

A 85 anos do nascimento da primeira estação de rádio pontifícia, projetada por Guglielmo Marconi, no fim do ano, no Vaticano, nascerá um único polo de transmissão radiotelevisiva com a tarefa – informam aqueles que, do outro lado do Rio Tibre, por delegação do Papa Francisco, estão trabalhando no complicado projeto – de potencializar a difusão no mundo "da palavra e da missão do pontífice a serviço Igreja e do Evangelho, para a promoção humana, a defesa dos pobres, da paz e dos direitos humanos e religiosos", através das "imagens, das palavras e dos mais significativos eventos eclesiais, beatificações, viagens papais, audiências".

Quem segura as rédeas da operação é a Secretaria para a Comunicação, o novo dicastério pontifício presidido pelo Mons. Dario Viganò, do qual dependem todos os órgãos informativos da Santa Sé (Pontifício Conselho para as Comunicações Sociais, Sala de Imprensa da Santa Sé, Tipografia Vaticana, Serviço Fotográfico, L’Osservatore Romano, Rádio Vaticano, CTV, Livraria Editora Vaticana, Serviço Internet Vaticano).

No seu gênero, é uma mudança histórica, que, no fim de dezembro, irá pôr a palavra final ao longo caminho radiofônico iniciado solitariamente no dia 12 de fevereiro de 1931 com a primeira mensagem de rádio lida ao microfone pelo Papa Pio XI. O primeiro diretor, o padre jesuíta Giuseppe Gianfranceschi, cientista, reitor da Universidade Gregoriana e presidente da Pontifícia Academia das Ciências, liderou-a a título experimental até 1939, ano em que a Rádio Vaticano começou a transmitir os programas cotidianamente, com especial atenção à vida da Santa Sé e à missão do papa, não desdenhando, frequentemente e de bom grado, de ser voz crítica do regime fascista e do nazismo, junto com o outro órgão de informação vaticana, L'Osservatore Romano.

Os programas, as finalidades e a nova direção do nascente polo radiofônico pontifício serão anunciados – informam os ambientes próximos da Secretaria para a Comunicação – "em breve", antes do fim do Ano Santo.

A nova Rádio Televisão Vaticana – na qual estarão operando mais de 650 empregados, entre jornalistas, técnicos e outros provenientes tanto da Rádio Vaticano quanto do Centro Televisivo Vaticano – estará nas diretas dependências da Secretaria de Estado, tornando-se o braço operacional na frente da informação internacional.

Até agora, por causa da Constituição Apostólica de 1988, o status da Rádio Vaticano era de simples "instituição" ligada à Santa Sé. Ela vai transmitir 24 horas por dia, através de um grande portal de internet acessível a todos, mediante o qual, além das atividades do papa e da vida da Igreja, poderão ser assistidos programas de aprofundamento, ao vivo, comentários, crônicas de eventos religiosos, informações jornalísticas e políticas acompanhadas pelas 40 redações externas da atual emissora radiofônica, para um total de cerca de 60 línguas diferentes.

O CTV, por sua vez, continuará produzindo serviços televisivos para o mercado televisivo internacional. Em nível de informação italiana, será potencializado o canal em modulação de frequência 105, que – asseguram do outro lado do Tibre – abrange atualmente cerca de 60% do solo italiano, para chegar a uma cobertura total em toda a Itália também com o acesso da emissora pontifícia em rádio digital. Um projeto destinado a se ramificar também em outros países.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Rádio Vaticano fecha e renasce como emissora online de rádio e TV - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV